Notícias

Brasil aposta na produção de Medicamentos Biossimilares

O que você paciente com Artrite Reumatoide, usuário de medicamento biológico pensa a respeito dos medicamentos biossimilares ?

Biossimilarvcpensa

A partir de 2015, país quer produzir 100% de vacinas contra a gripe A, além de medicamentos biológicos. Economia chegaria a R$ 225 bilhões por ano. Falta de tecnnologia faz especialistas duvidarem da meta.

O Brasil quer produzir a partir de 2015 toda a vacina contra o vírus da gripe H1N1, também conhecido como influenza A, necessária para suprir a demanda nacional. Ao todo, serão 44 milhões de doses – para a campanha de vacinação de 2013, o Instituto Butantan, fabricante das vacinas brasileiras, já produziu 15% do total.

Outros 14 medicamentos biológicos terão fabricação 100% nacional. A prioridade é que misturas que combatem diferentes tipo de câncer, como o de mama e a leucemia, saiam primeiro. Fazem ainda parte da lista composições para artrite reumatoide, diabetes, um cicatrizante, um hormônio do crescimento e uma vacina contra alergia.

O Brasil está em sétimo lugar entre os países que mais gastam com o mercado de medicamentos no mundo. São cerca de R$ 55 bilhões por ano e o Sistema Único de Saúde (SUS) é o maior comprador do mercado nacional. O consumo acelerado gera um déficit comercial na área de saúde, cerca de R$ 11 bilhões, segundo o Ministério da Saúde.

Fórmula cara e dependência estrangeira

A decisão de investir na produção nacional fará com que o País economize R$ 225 milhões por ano, destaca o ministério. João Batista Calixto, especialista em farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina, diz que o governo não deveria se concentrar apenas na questão financeira. “Não basta ter só dinheiro. Recursos humanos são fundamentais. Nós contamos com profissionais estrangeiros o tempo inteiro. Este é o grande problema do País.”

A população terá acesso aos remédios, porque o SUS pagará tudo e fará com que as composições se tornem bem mais baratas. Mas isso não quer dizer que o País terá sucesso de hoje para amanhã

João Batista Calixto especialista em farmacologia

Os medicamentos biológicos são produzidos a partir de um processo complexo. Em uma denominação mais simplificada, eles são fabricados a partir de células vivas que atuam como uma fábrica. É por isso que eles são considerados produtos de última geração e de alto custo. Do total de remédios vendidos no Brasil, esse grupo representa 3%.

Já os remédios biossimilares têm a mesma estrutura dos biológicos, mas nasce de um processo de engenharia reversa. Ou seja, a molécula pronta que dá origem ao remédio biológico é analisa e tenta-se descobrir como ela foi produzida. Os profissionais responsáveis por descobrir “a fórmula mágica” tentam chegar a um resultado parecido por tentativa e erro. Quem decide se essa versão biosimilar é segura para o uso é a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Ainda assim, o farmacologista ressalta que os biossimilares são muito complexos e não podem ser simplesmente “copiados”, como acontece com os genéricos. “Não acredito que vai ser fácil se tornar um produtor completamente independente. A Anvisa aprovou uma lei para biosimilares, mas ainda há muita pesquisa a ser feita. Com os genéricos, houve um ganho na escala de preços – cerca de 30% de redução – mas a matéria-prima ainda vem de outros países. No fim, acaba sendo tudo um grande gasto para o Brasil”, alega Calixto.

Caso o País consiga atingir uma estrutura tecnológica capaz de produzir medicamentos biológicos de forma independente, o corte de gastos deve superar o registrado com a faricação de genéricos, além de gerar mais empregos. Mas não será um objetivo fácil. “A briga pelo mercado, por patentes, será maior. Com a produção de biossimilares, o risco também cresce, em função da complexidade da composição. A população terá acesso aos remédios, porque o SUS pagará tudo e fará com que as composições se tornem bem mais baratas. Mas isso não quer dizer que o País terá sucesso de hoje para amanhã.”

“Quem acreditar, vem junto”
Carlos Gadelha, do Ministério da Saúde, mostra-se otimista, apesar das dificuldades observadas por pesquisadores e cientistas. Segundo ele, cerca de 33% dos investimentos na ciência brasileira são feitos na área da saúde e o País conta com uma boa indústria de formação final. “A ideia não é produzir tudo no Brasil, mas reduzir a dependência do País. O objetivo é verticalizar a produção e reforçar a estratégia de desenvolvimento tecnológico.”

Gadelha disse ainda que a produção acelerada da vacina contra a influenza se enquadra neste aspecto, pois as parcerias realizadas farão com que a população tenha mais segurança na área da saúde – não apenas contra grandes epidemias, mas também contra doenças sazonais, como a gripe.

Nós temos todas as condições de mercado, capacidade produtiva, demanda pública do Sistema Único de Saúde e ciência instalada. Estou confiante que daremos este salto

Carlos Gadelha Ministério da Saúde

O representante não enxerga uma possível briga por patentes. “As patentes concedidas às empresas que costumam comercializar medicamentos para o Brasil e para o mundo estão quase expirando. Depois disso, não existirá mais patentes. Não haverá mais motivo para briga. Por isso, a realização de 27 parcerias com oito laboratórios públicos e 17 privados é interessante. Não é somente uma terceirização, mas sim, um desenvolvimento conjunto entre instituições públicas e estrangeiras, que vai fazer com que haja uma economia na produção de R$ 225 milhões por ano.”

Ele disse que não há motivos para duvidar que o País é capaz de alcançar tudo o que planeja até 2015. “Nós temos todas as condições de mercado, capacidade produtiva, demanda pública do Sistema Único de Saúde e ciência instalada. Estou confiante que daremos este salto. Quem acreditar, vem junto. Quem não, vai ver o filme passar.”

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/brasil-aposta-na-producao-de-remedios-e-vacinas-para-cortar-custos,80c9b78c2b28f310VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

 

Artigos Relacionados

Pacientes reclamam da falta de remédio de alto custo em São José dos Campos

Priscila Torres

Após ficar mais de um mês na UTI, músico acreano morre de síndrome de Guillain-Barré

Priscila Torres

Coronavírus: SBC alerta pacientes portadores de doenças cardiovasculares

Priscila Torres