Notícias

Benefício do jejum intermitente vai além de emagrecer, diz estudo

Novo estudo do Salk Institute e da Escola de Medicina Universidade da Califórnia, em San Diego, nos Estados Unidos, revelou outros benefícios do jejum intermitente, além de perder peso e gordura: reduzir os sintomas e ajudar nas doenças decorrentes de quem sofre com a síndrome metabólica, como a pressão arterial e colesterol altos.

De acordo com os resultados publicados na revista científica Cell Metabolism, a dieta realizada dentro de um intervalo de cerca de 10 horas (com 14 horas de jejum), quando aliada ao tratamento médico adequado, auxilia no tratamento e prevenção das condições que levam ao desenvolvimento de doença cardíaca e diabetes tipo 2.

“Descobrimos que a combinação de alimentos com restrição de tempo e medicamentos pode dar aos pacientes com síndrome metabólica a capacidade de gerenciar melhor sua doença”, diz Satchidananda Panda, co-autor e professor correspondente no Laboratório de Biologia Regulatória de Salk, ao site Science Daily.

Efeitos do jejum intermitente

Isso acontece porque esse tipo de restrição alimentar ajuda a regular o ritmo circadiano (relógio biológico), que é constituído pelos ciclos de processos biológicos de 24 horas que afetam quase todas as células do corpo. E cada vez mais, os cientistas estão descobrindo que padrões alimentares irregulares podem atrapalhar esse sistema e gerar problemas de saúde.

Mas ao “comer e beber tudo (exceto água) dentro de uma janela consistente de 10 horas seu corpo consegue descansar e se restaurar por 14 horas à noite. Ele também pode prever quando você comerá, e assim, pode se preparar para otimizar o metabolismo”, diz Emily Manoogian, co-autora do artigo.

O método pode ser uma alternativa para quem já possui alguma dessas condições, já que intervenções no estilo de vida, como adotar uma alimentação saudável e aumentar a frequência de atividade física, são difíceis de manter e, mesmo quando combinadas com medicamentos, muitas vezes são insuficientes para gerenciar completamente a doença.

“Ao contrário da contagem de calorias, a ingestão de alimentos com restrição de tempo é uma intervenção dietética simples de incorporar, e descobrimos que os participantes conseguiram manter a programação alimentar”, aponta Emily. Além disso, manter horários regulares para se alimentar também ajuda a evitar os riscos.

Outros benefícios

O estudo piloto incluiu 19 participantes diagnosticados com síndrome metabólica que relataram comer durante um intervalo de tempo superior a 14 horas por dia. Além disso, 84% deles estavam tomando pelo menos um medicamento, como estatinas ou uma anti-hipertensivos.

Eles usaram o aplicativo myCircadianClock, do laboratório Panda, para registrar quando e o que comeram durante um período inicial de duas semanas, seguido pela intervenção alimentar de três meses e 10 horas com restrição de tempo.

Para reduzir a ingestão de alimentos para a janela de 10 horas, a maioria dos participantes atrasou sua primeira refeição e avançou sua última refeição todos os dias, para que as refeições não fossem ignoradas.

Ninguém relatou efeitos adversos durante a intervenção. E, no geral, os participantes experimentaram melhora no sono, além de uma redução de 3-4% no peso corporal, índice de massa corporal (IMC), gordura abdominal e circunferência da cintura.

“A adaptação deste período de 10 horas de alimentação restrita é um método fácil e econômico para reduzir os sintomas da síndrome metabólica e melhorar a saúde”, acrescenta Pam Taub, co-autora.

Mas vale ressaltar que o método precisa ser acompanhado por um especialista e nem sempre é indicado para todas as pessoas.

Fonte: O Nortão.

Related posts

Obesidade: dieta com baixíssimas calorias auxilia na perda de peso

Priscila Torres

SUS, há 30 anos sobrevivendo ao colapso

Priscila Torres

Exame de sangue experimental pode encontrar várias doenças de uma vez

Priscila Torres
Loading...