Artrose era a doença mais comum do Império Romano, diz estudo

Era a artrose que colocava “de joelhos” os moradores do Império Romano, curvando as costas e maltratando os antigos romanos com uma dor que ninguém conhece atualmente antes dos 30 anos. Isso é o que revelou um estudo com mais de dois mil esqueletos encontrados na Roma Antiga.

    A pesquisa, publicada em um livro chamado “Bones: Orthopaedic Pathologies in Roman Imperial Age”, a maior do gênero sobre o tema, mostrou que as articulações dos cidadãos romanos sofriam muito com os trabalhos manuais realizados na época e que, para as dores geradas desse trabalho, não havia nenhuma prevenção ou cura.

    Caso houvesse uma fratura causada pela doença, ela era “consertada” sem nenhum tipo de cirurgia. O mais comum era a colocação dos doentes sobre uma tábua de madeira, onde ali permaneciam e aguardavam imóveis a diminuição das dores.

    “Algumas descobertas nos aparentaram ser tão particulares que não podíamos deixar de pressupor que eles tinham bons conhecimentos sobre as técnicas de cura óssea. Nos pareceu, então, importante procurar a colaboração com especialistas em medicina para entender e analisar a evolução dos conhecimentos médicos e ortopédicos da Roma imperial”, disse o médico ortopedista, Andrea Piccioli, que liderou o estudo.

    Para chegar aos resultados finais, a equipe contou com a presença de dois ortopedistas, três antropólogos, dois radiologistas e duas historiadoras da medicina.

    O trabalho representa uma possibilidade sem precedentes na leitura científica por causa do alto número de sujeitos examinados – encontrados em necrópoles suburbanas da capital italiana -, analisados com exames fotográficos integrados com modernas técnicas de imagem como, por exemplo, a Tomografia Axial Computadorizada (TAC), capaz de avaliar lesões impossíveis de serem descobertas anteriormente.

    “Nós conseguimos obter uma fotografia de uma época longínqua, que nos mostrou histórias de homens e de doenças que nos surpreenderam e, às vezes, nos emocionaram. Eram mulheres e homens habituados a viver e trabalhar com doenças dolorosas e invalidantes. Hoje, é impossível apenas pensar em viver com esses sofrimentos físicos”, conclui Piccioli.

Fonte: Jornal do Brasil

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Planejar aposentadoria fica ainda mais difícil na pandemia

Trabalhador deve conhecer sua vida contributiva e as regras da Previdência antes do pedido A pandemia de Covid-19, a crise econômica e a reforma da...

Procure conhecer tudo à respeito da sua doença e como você pode se ajudar! E acima de tudo, nunca desista!

No final de 2015, tive uma febre tão alta que me debatia na cama. Depois disso, não conseguia mais escovar dentes, pentear os cabelos,...

Live irá debater a falta de medicamentos nas Farmácias de Alto Custo

ReumaLive: Direitos dos Pacientes: Assistência Farmacêutica Em dezembro de 2020, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), emitiu um documento em que foi declarado...