Anvisa aprova novos medicamentos para tratamento de psoríase e artrite psoriásica

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou[1] em 26 de março dois novos medicamentos para tratamento de psoríase em placas e artrite psoriática em adultos, o guselcumabe e o apremilaste. O guselcumabe é um medicamento biológico indicado para tratar psoríase em placas em estágios de moderados a graves. Já o apremilaste é um sintético que também trata psoríase crônica em placas em estágios de moderados a graves, mas é indicado para pacientes que não responderam a outras terapias sistêmicas ou fototerapia, ou que são intolerantes aos medicamentos tradicionais. Além disso, o apremilaste está indicado para o tratamento da artrite psoriática ativa naqueles que não tiveram boa resposta aos antirreumáticos.

A psoríase em placas é o tipo mais comum da doença. Os outros são: ungueal, invertida, gutata, entre outros. O grau dela é calculado pelo Índice de Gravidade da Psoríase por Área (conhecido também pela sigla em inglês PASI, de Psoriasis Area Severity Index). De acordo com o Dr. Caio Castro, coordenador da Campanha Nacional de Psoríase da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o critério usado para definir que a psoríase já saiu do grau leve é um escore acima de 10 no PASI. “Analisamos a quantidade de lesões e o tamanho delas. Mede-se desde o couro cabeludo até o pé, e fazemos o cálculo do PASI para definir se psoríase é leve, moderada ou grave”.

O cálculo pode ser feito com uma calculadora online (alternativa em inglês aqui). Para isso, divide-se o corpo em quatro partes: cabeça, tronco, membros superiores e membros inferiores e calcula-se a porcentagem de lesões em relação ao tamanho de cada uma dessas partes. Depois, é avaliada a intensidade de cada tipo de lesão, em uma escala de 0 a 4. São avaliados o eritema, a induração e a descamação.

“Quanto mais pontos ganhar de cada um dos itens, mais severa é a psoríase. Quanto maior a área, o eritema, a descamação, maior será o PASI que define a severidade da doença”, esclarece o Dr. Castro.

Guselcumabe

De acordo com o estudo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology[2], o guselcumabe é um anticorpo monoclonal IgG1 humano que se liga seletivamente à citocina pró-inflamatória IL-23, agente central na imunopatogênese da psoríase. Ao se associar com a interleucina 23, o anticorpo em questão impede a ligação desta última ao seu receptor e, consequentemente, impede as sinalizações subsequentes. Com isso, o estudo concluiu que o medicamento é altamente efetivo e bem tolerado inclusive para pacientes que não respondem ao adalimumabe.

O Dr. Castro explica que, por mais que o medicamento seja indicado para tratamento das condições de moderadas a graves, ele também pode ser indicado para os pacientes que não responderam bem às medicações convencionais, como ciclosporina, acitretina e metotrexato, bem como à fototerapia.

“Um paciente que tem um problema hepático grave e não pode usar o metotrexato, por exemplo, tem como alternativa o medicamento biológico (guselcumabe). Ele atende àqueles que não tiveram boa resposta às medicações convencionais, têm intolerâncias ou contraindicações”, explica.

O especialista explica que, não fosse pelo custo, o guselcumabe seria o medicamento de escolha para o tratamento de psoríase. “Se fosse bem próximo ou apenas um pouco superior aos convencionais, sem dúvida o guselcumabe seria primeira-linha. Para o paciente, ele é muito melhor do que medicação oral diária, já que o guselcumabe é administrado por meio de injeções periódicas, tem resposta muito melhor e muito menos efeitos colaterais”.

A dose indicada é de 100 mg por via subcutânea na semana 0, na semana 4 e a cada oito semanas[3]. O guselcumabe é produzido pela farmacêuticaJanssen-Cilag, e está registrado com o nome de Tremfya.

Apremilaste

O apremilaste é um medicamento oral que se enquadra na classe dos inibidores da fosfodiesterase 4 (PDE4). A PDE4 é uma enzima importante no processo inflamatório, pois é a principal responsável pela hidrólise e pela degradação do monofosfato cíclico de adenosina (cAMP). O aumento na concentração do cAMP leva a uma diminuição na produção de citocinas pró-inflamatórias, como TNF-α , IL-23 e IFN -γ,  além de propiciar aumento na produção de mediadores anti-inflamatórios, como o IL-10. De acordo com estudos[4,5], a inibição da PED4 pode modular diversas vias inflamatórias no corpo, uma vez que interrompe a cascata inflamatória no início, diferentemente de outros agentes biológicos, que atuam isoladamente em um único marcador pró-inflamatório, como o TNF-α.

Os estudos que mostraram a eficácia do apremilaste para artrite psoriática, condição que atinge de 6% a 39% dos pacientes com psoríase, analisaram a eficácia e a segurança da molécula em 1493 pacientes divididos em três estudos de fase 3[6,7]. Os resultados, comparados com placebo, foram satisfatórios: o medicamento apresentou melhora clínica na artrite psoriática por até 52 semanas, incluindo sinais e sintomas, e função física[8].

O aprelimaste também se mostrou efetivo e foi aprovado para tratamento de psoríase em placas. Os estudos de fase 2 ESTEEM 1 2 com 1257 pacientes[9]mostraram que o medicamento reduz a gravidade da psoríase ungueal e do couro cabeludo.

A gravidade dos efeitos colaterais relatados nos estudos clínicos foi de leve a moderada. Cefaleia, diarreia, infecções no trato respiratório superior e náusea foram os eventos adversos mais comuns.

Aprovado para comercialização em comprimidos revestidos com concentração de 10 mg, 20 mg e 30 mg[1], Dr. Castro explica que o apremilaste também é considerado uma alternativa aos medicamentos tradicionais, mas que isso só será amplamente aceito caso o custo não seja mais alto do que o das medicações convencionais.

Fabricado pela farmacêutica Celgene, o apremilaste será comercializado com o nome de Otezla.

Incorporações

Até o momento não há informações sobre a incorporação dos medicamentos aprovados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC) no Sistema Único de Saúde (SUS). Pelo fato de a aprovação pela Anvisa ser recente, até o momento os preços dos medicamentos também não foram definidos pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED).

Referências

  1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anvisa. Notícias: Aprovados novos medicamentos para psoríase. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/noticias
  2. Efficacy and safety of guselkumab, an anti-interleukin-23 monoclonal antibody, compared with adalimumab for the treatment of patients with moderate to severe psoriasis with randomized withdrawal and retreatment: Results from the phase III, double-blind, placebo- and active comparator–controlled VOYAGE 2 trial. Disponível em: http://www.jaad.org/article/S0190-9622(16)31158-6/abstract
  3. Guselkumab (Rx). Disponível em: https://reference.medscape.com/drug/tremfya-guselkumab-1000164
  4. Eric Ocheretyaner Tina Zerilli. Apremilast (Otezla): A New Oral Treatment for Adults With Psoriasis and Psoriatic Arthritis. PubMed Central (PMC). Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4517531/
  5. Efficacy and Safety Study of Apremilast to Treat Active Psoriatic Arthritis – Full Text View – ClinicalTrials.gov. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT01172938?term=PALACE%2C+Apremilast&rank=4
  6. PALACE 2: Efficacy and Safety Study of Apremilast to Treat Active Psoriatic Arthritis – Full Text View – ClinicalTrials.gov. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT01212757?term=PALACE%2C+Apremilast&rank=2
  7. PALACE 3: Efficacy and Safety Study of Apremilast to Treat Active Psoriatic Arthritis – Full Text View – ClinicalTrials.gov. Disponível em: https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT01212770?term=PALACE%2C+Apremilast&rank=1
  8. A Phase III, Randomized, Controlled Trial of Apremilast in Patients with Psoriatic Arthritis: Results of the PALACE 2 Trial. – PubMed – NCBI. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27422893
  9. Apremilast, an oral phosphodiesterase 4 inhibitor, in patients with difficult-to-treat nail and scalp psoriasis: Results of 2 phase III randomized,… – PubMed – NCBI. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26549249

Fonte: https://portugues.medscape.com/verartigo/6502234#vp_2

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Planejar aposentadoria fica ainda mais difícil na pandemia

Trabalhador deve conhecer sua vida contributiva e as regras da Previdência antes do pedido A pandemia de Covid-19, a crise econômica e a reforma da...

Procure conhecer tudo à respeito da sua doença e como você pode se ajudar! E acima de tudo, nunca desista!

No final de 2015, tive uma febre tão alta que me debatia na cama. Depois disso, não conseguia mais escovar dentes, pentear os cabelos,...

Live irá debater a falta de medicamentos nas Farmácias de Alto Custo

ReumaLive: Direitos dos Pacientes: Assistência Farmacêutica Em dezembro de 2020, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), emitiu um documento em que foi declarado...