Depoimentos

A dor pode ser forte, mas eu sou mais!

No início eram poucas dores. Logo iniciaram os inchaços e em seguida as limitações. Momento em que iniciei minha jornada pelos consultórios e clínicas médicas.

Um profissional jogando pra outro a responsabilidade de um diagnóstico que só veio 10 anos mais tarde. Foram períodos de muitas crises, choro e indagações. Joelhos e punhos inchados e doloridos. Muitas injeções de corticoide, anti-inflamatórios, pilhas de exames e um questionamento: o que é que eu tenho?

Ninguém da família com sintomas parecidos… E meus exames davam “normal”. Mas deitava bem e acordava sem poder sair da cama. Nem mesmo pentear os cabelos eu conseguia.

Fui persistente, nunca me dei por vencida, até encontrar um profissional extremamente sensível e comprometido que fez meu diagnóstico: AR Soro Negativa.

A dor pode ser forte, mas eu sou mais!

Sejam persistentes!

Me chamo Shirlanda, tenho 42 anos, convivo com o diagnóstico de artrite reumatoide há 5 anos, sou Professora e moro em Torres-RS.

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

É simples, preencha o formulário no link http://ow.ly/gGra50nFGJp

Doe a sua história!❤

#depoimento

Artigos Relacionados

Meu sonho de ser mãe foi adiado pela Artrite reumatoide juvenil

Priscila Torres

Aline Vieira Damascena

Priscila Torres

Aninha – “A Menina e o Lúpus”

Priscila Torres
Loading...