Depoimentos

A dor é constante, mas aprendemos a viver com ela!

Eu estava grávida de 5 meses, quando meu marido descobriu que estava com uma insuficiência renal. A minha pressão subiu e eu sofri um aborto espontâneo.

Fiz curetagem, mas fiquei muito tempo sangrando. Eu comecei a sentir dores em todas as juntas do corpo, depois de 1 mês da curetagem, eu fiz uma ultrassonografia e ainda tinha um resto de placenta dentro de mim.

Os médicos disseram que a dor no corpo era porque eu estava perto de uma infecção generalizada. Tive que fazer uma segunda curetagem. O sangramento parou, mas as dores não. Então o médico ginecologista achou que pudesse ser fibromialgia, me encaminhou para o reumatologista.

Ele achou que fosse lúpus, fiz os exames, e o fator reumatoide deu altíssimo. Comecei o tratamento com metotrexato e reuquinol por 2 anos, até que o médico resolveu mudar para o biológico embrel.

Fui diagnosticada em 2014, os dois primeiros anos fiz tratamento com reuquinol, e há 6 anos estou fazendo com embrel. Nesse tempo, desenvolvi psoríase, olho seco ao extremo, ao ponto de abrir uma ferida na córnea. Agora estou investigando para  ver se é a síndrome de sjogren.

Meu nome é Gizella Gonzaga, tenho 37 anos, convivo com a artrite reumatoide a 6 anos, sou Professora e moro no Rio de Janeiro-RJ.

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

É simples, preencha o formulário no link http://ow.ly/gGra50nFGJp

Doe a sua história!❤
.
#depoimento

Related posts

Quando penso nos desafios da artrite reumatoide, lembro que o meu conforto vem de Deus

Priscila Torres

Com Jesus Cristo na frente, conseguimos!

Priscila Torres

Desistir nunca, independente das circunstâncias você é linda

Priscila Torres
Loading...