Apesar de tudo, sejam fortes. Procure quem te quer bem, quem te entenda

Um dia em cima, outro embaixo.

Tudo começou faz mais de 7 anos. Foi no trabalho que comecei a notar os sintomas. Era muito ativa e as dores ao levantar começaram a me tirar do sério. Até que chegou um dia que eu mal podia caminhar. Fui por quase todas as especialidades médicas, menos por um reumatologista. Ninguém sabia diagnosticar o motivo das dores insuportáveis.

Certo dia, um colega de trabalho me viu caminhando com muita dificuldade e perguntou o quê eu tinha. Não soube responder. Ele se sensibilizou e perguntou se eu já havia procurado um reumatologista. Falei que não. Ele disse que tinha uma amiga reumatologista e que iria ligar para ela. Pediu que eu fosse para minha sala que ele ia conversar com ela. Lembro-me como hoje, era uma segunda-feira.

Ele ligou e a reumatologista pediu que eu fosse na quinta-feira ao consultório dela. Esses 3 dias pareciam uma eternidade. A reumatologista passou logo uma dose cavalar de prednisona e muitos exames. Eu que sempre fui vaidosa, comecei a ficar muito inchada, as roupas, não cabiam mais em mim e as pessoas me olhando como se eu estivesse a beira da morte.

Foram meses tomando corticoide, até chegar ao diagnóstico: artrite reumatoide. Nunca tinha ouvido falar nessa tal. Ela me explicou sobre a doença e disse, para não procurar no Dr. Google, nada sobre artrite reumatoide. Fiquei mais curiosa (risos). Tinha um irmão que morava mais próximo, corri para lá e fui direto para o computador.

Quando coloquei as imagem, quase tive um treco. Só chorava. Começamos então o tratamento. Moro só e tinha dias que pedia a Deus que me levasse, porque não ia aguentar aquela situação. Tive uma crise de pânico que não conseguia entrar no meu apartamento. Passei 2 meses morando na casa de um irmão. Com essa crise, veio a depressão. Faço tratamento até hoje.

Após 4 anos, também fui diagnosticada com fibromialgia. É difícil aceitar tanta incapacidade. A incompreensão da família dói muito. Em agosto de 2018 fiz uma descompressão no fêmur para adiar a colocação de uma prótese. Estou com osteonecrose nos dois fêmurs.

Ando de muletas e o olhar das pessoas, o preconceito, o olhar de dó, me incomoda muito. Hoje estou fazendo tratamento com golimumabe, duloxetina, mirtazapina, pregabalina, diazepam e remédios para dores. Sei que Deus tem um propósito muito grande para mim, e é com Ele que me apego todos os instantes. Quando me perguntam como estou, falo que minha vida é uma roda gigante. Um dia em cima, outro embaixo.

Apesar de tudo, sejam fortes. Procure quem te quer bem, quem te entenda. Acreditem que temos um Deus que tudo pode e é com Ele que podemos contar sempre e para sempre.

Meu nome é Rita Rocha, moro em Alagoa, Maceió.

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

É simples, preencha o formulário no link http://ow.ly/gGra50nFGJp

Doe a sua história!❤

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));
%d blogueiros gostam disto: