3 razões pelas quais o sono é importante para a sua saúde

Muitos de nós não dormem o suficiente regularmente. Pode ser devido a um distúrbio do sono, vida social agitada, longas horas de trabalho ou inúmeros outros motivos. Mas não dormir o suficiente pode ter implicações significativas para a saúde.

Grandes estudos de pesquisa que perguntam sobre hábitos de sono e saúde mostram que dormir menos de seis ou sete horas em média por noite aumenta o risco de obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.

Um crescente corpo de pesquisa está começando a mostrar como o sono inadequado habitual pode alterar nossa fisiologia e levar ao desenvolvimento de doenças crônicas.

As três principais áreas de resposta à privação do sono que foram examinadas são metabólicas (processamento e uso de energia dos alimentos), imunológicas (proteção contra doenças) e cardíaca.

Para examinar como esses sistemas reagem à privação do sono em pessoas saudáveis, os voluntários são recrutados para estudos que exigem que eles vivam em um ambiente de laboratório de vários dias a semanas. Seu tempo de sono é manipulado e o acesso a comida e bebida, luz, temperatura, atividade física e interação social são controlados.

Nesses estudos, os participantes podem ficar sem dormir por uma ou várias noites (privação total do sono) ou reduzir o tempo de sono por várias semanas (privação parcial do sono) para examinar os impactos das mudanças na duração do sono na função metabólica, imunológica e cardíaca.

Respostas metabólicas e endócrinas

Uma boa parte da pesquisa sugere que a perda do sono prejudica o metabolismo da glicose, o processo no qual os açúcares da ingestão de alimentos são processados ​​e armazenados ou usados ​​para produzir energia. Estudos laboratoriais constataram consistentemente que a perda de sono a curto prazo diminui a tolerância à glicose e a sensibilidade à insulina em adultos saudáveis, jovens e magros.

A longo prazo, essas alterações no metabolismo da glicose podem aumentar o risco de obesidade e diabetes tipo 2. Combine isso com a tendência de privação de sono para comer alimentos reconfortantes, que são mais ricos em gordura e açúcar, e não é de admirar que as pessoas que são privadas de sono tenham mais dificuldade em perder peso do que aquelas que estão bem descansadas.

Além disso, a privação total e parcial do sono também foi encontrada para modificar os ritmos diários normais dos hormônios reguladores do apetite. A leptina, um hormônio que suprime o apetite, e a grelina, um peptídeo derivado do estômago que estimula o apetite, mudam em resposta à privação do sono. Quando você não dorme o suficiente, mudanças nesses hormônios reguladores do apetite e um aumento no consumo de alimentos podem levar ao ganho de peso e à obesidade.

Esses resultados laboratoriais também foram encontrados em um grande estudo longitudinal baseado na população sobre padrões de sono conhecido como Wisconsin Sleep Cohort. Neste estudo, os participantes relataram seus hábitos de sono através de questionários e diários de sono e forneceram uma amostra de sangue pela manhã antes de comer, para avaliar os níveis de leptina e grelina.

Neste estudo, as pessoas que dormiam menos de oito horas por noite (74,4% da amostra) tinham um índice de massa corporal (IMC) aumentado. O sono curto habitual também foi associado à baixa leptina e à alta grelina. Como a leptina reduzida e a grelina elevada provavelmente aumentam o apetite, isso pode explicar o aumento do IMC observado e quão insuficiente o sono poderia contribuir para o desenvolvimento da obesidade.

Respostas imunes

O sono saudável ajuda a manter a função imunológica adequada. A perda de sono pode levar a alterações na função imunológica, resultando em doença inflamatória, aumento do risco de câncer e doenças infecciosas.

Uma noite de privação total de sono foi encontrada para causar uma redução das respostas imunes naturais. A privação total de sono também demonstrou elevar certos marcadores inflamatórios que podem levar à resistência à insulina, doenças cardíacas e osteoporose.

Em um estudo laboratorial, a privação parcial do sono (seis noites de apenas quatro horas de sono por noite) no momento da vacinação reduziu o número de anticorpos em mais de 50% dez dias depois que os participantes privados de sono receberam o vírus da gripe. Isso mostra que o sono adequado é necessário para uma resposta ideal às doenças infecciosas.

Saúde do coração

A prevalência de pressão arterial elevada aumentou nas últimas décadas. Durante esse período, a duração do sono habitual diminuiu. Estudos recentes mostraram que existe uma relação entre a privação do sono e a hipertensão arterial e doenças cardíacas.

Nurses’ Health Study, um dos maiores e mais antigos estudos avaliando influências na saúde das mulheres, encontrou o risco de desenvolver doenças cardíacas aumentado em mulheres que dormiam menos de cinco horas e mais de nove horas.

Algumas possíveis razões para a relação entre a diminuição da duração do sono e as doenças cardíacas podem ser hiperatividade simpática (sistemas corporais envolvidos na resposta ao estresse comumente conhecida como resposta de luta ou fuga), aumento da pressão arterial ou diminuição da tolerância à glicose.

Outro mecanismo potencial que pode ligar a perda de sono e doenças cardíacas é através da ativação da proteína C-reativa, uma proteína criada em resposta à inflamação. A proteína C-reativa é um marcador que mostra ser preditivo de problemas de saúde do coração. É elevado em adultos saudáveis ​​após a privação total do sono e uma semana de privação parcial do sono.

A notícia não é tão ruim

Existem algumas evidências de que, ao melhorar o sono, podemos reduzir o impacto da perda de sono e reverter seus efeitos negativos. Habitualmente, prolongar o sono, tirar sonecas e usar fins de semana e dias de folga para “recuperar” o sono pode diminuir os impactos adversos a longo prazo da perda de sono.

Traduzido e adaptado de The Conversation.

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));