Artrite Psoriásica Notícias

28º Congresso da EADV divulga novos resultados no tratamento da psoríase

A biofarmacêutica AbbVie anunciou a apresentação de novos resultados que avaliam a segurança e eficácia de risancizumab aos 2,5 anos, em doentes adultos com psoríase em placas moderada a grave, bem como dados adicionais relativos a adalimumab e upadacitinib, um inibidor de JAK em investigação, no 28.º Congresso da Academia Europeia de Dermatologia e Venereologia (EADV), que se realizou entre os dias 9 e 13 de outubro, em Madrid.

“Assente em mais de duas décadas de experiência clínica com adalimumab, a AbbVie expandiu recentemente o seu portefólio de Dermatologia, com a aprovação de risancizumab para doentes com psoríase em placas moderada a grave”, declarou o Dr. Marek Honczarenko, vice-presidente da área de desenvolvimento em Imunologia da AbbVie. “Os novos dados apresentados no congresso da EADV irão permitir aprofundar o conhecimento relativo a novas terapêuticas e às já existentes para doenças de pele graves, como a psoríase, bem como para doenças com necessidades médicas não satisfeitas, como a dermatite atópica e a hidradenite supurativa.”

Além da apresentação de novos dados a longo prazo do estudo de extensão em fase aberta – LIMMitless – na psoríase em placas moderada a grave, a AbbVie apresentou ainda resultados do seu programa de investigação de fase 2 em curso que avalia risancizumab no tratamento da artrite psoriática. Risancizumab não está aprovado no tratamento da artrite psoriática pelas autoridades regulamentares e a sua segurança e eficácia não foram ainda estabelecidas para esta indicação. Risancizumab está a ser desenvolvido numa colaboração entre a Boehringer Ingelheim e a AbbVie, ficando esta última responsável pelo desenvolvimento e pela comercialização a nível global.

Além disso, foram apresentados numa exposição oral os resultados do estudo de fase 2b que avalia o tempo de resposta ao tratamento com upadacitinib, um inibidor oral de JAK em investigação, em doentes com dermatite atópica moderada a grave. Upadacitinib não está aprovado pelas autoridades regulamentares e a sua segurança e eficácia não foram ainda estabelecidas.

Outras apresentações incluíram os resultados de eficácia e segurança que avaliam a utilização de adalimumab na hidradenite supurativa.

“As doenças de pele crônicas podem ter um impacto físico e psicossocial significativo nos doentes”, afirma o Dr. Jean-Marie Meurant, presidente da International Alliance of Dermatology Patient Organizations. “Embora tenham sido feitos progressos para melhorar a vida dos doentes, muitos continuam a não ter acesso ao tratamento e aos cuidados que precisam. É fundamental que a comunidade científica continue a investigar para melhor compreender estas doenças e que coloque a melhoria da experiência do doente como meta para os seus esforços.”

Fonte: News Farma

Related posts

Relações sexuais geralmente provocam um certo grau de desconforto em pessoas que sofrem de dor crônica

Priscila Torres

Workshop detalha novo processo de atualização do Rol de Procedimentos

Priscila Torres

Fibromialgia e Exercícios Físicos

Priscila Torres
Loading...