Espondilite Anquilosante Notícias Tratamentos

Novos dados de upadacitinib em espondilite anquilosante

A AbbVie, uma biofarmacêutica global de investigação, anunciou novos dados relativos ao estudo SELECT-AXIS 1, um ensaio de fase 2/3. Segundo estes dados, o dobro dos doentes adultos com espondilite anquilosante (EA) ativa tratados com upadacitinib (15 mg, toma diária única) alcançou o objetivo primário de resposta Assessment of SpondyloArthritis International Society (ASAS) 40 à semana 14, comparativamente com placebo (52% vs. 26%; p<0,001). SELECT-AXIS 1 é o primeiro ensaio que avalia a eficácia e segurança de upadacitinib em doentes adultos com EA ativa não tratados previamente com fármacos anti-reumáticos modificadores da doença biológicos (bDMARDs) ou que tiveram uma resposta inadequada ou que são intolerantes a anti-inflamatórios não esteroides (AINEs).

Os resultados do estudo foram apresentados no encontro anual de 2019 do American College of Rheumatology (ACR)/Association for Rheumatology Professionals (ARP), em Atlanta, tendo sido também publicados na The Lancet. Upadacitinib, um inibidor da JAK seletivo e reversível descoberto e desenvolvido pela AbbVie, está a ser estudado como terapêutica de toma diária única na EA e em diversas doenças imunomediadas.

“A espondilite anquilosante é uma doença inflamatória crônica e progressiva que provoca dor e rigidez, sobretudo na coluna, e começa a surgir no início da idade adulta”, afirmou a Prof. Doutora Désirée van der Heijde, do Leiden University Medical Center, nos Países Baixos.“Além dos fármacos biológicos, existem poucas opções disponíveis para os doentes que tiveram uma resposta inadequada a AINEs ou cuja terapêutica com estes fármacos é contraindicada. Os resultados deste estudo sustentam o potencial de upadacitinib como opção terapêutica adicional para os doentes que sofrem de espondilite anquilosante”, esclarece.

“Os resultados do estudo SELECT-AXIS 1 mostram que upadacitinib melhorou significativamente os sinais e sintomas em doentes com espondilite anquilosante”, refere o Dr. Marek Honczarenko, vice-presidente da área de desenvolvimento em Imunologia da AbbVie.

“Estes dados demonstram o empenho da AbbVie em descobrir e desenvolver terapêuticas adicionais para os doentes com doenças reumáticas”, conclui.

O perfil de segurança de upadacitinib foi consistente com o observado anteriormente em estudos com doentes com artrite reumatoide, sem detecção de novos sinais de segurança. Até à semana 14, as proporções de doentes com acontecimentos adversos que conduziram a descontinuação, acontecimentos adversos graves e infeções foram de 2%/1%/20% com upadacitinib e 3%/1%/28%com placebo, respetivamente. Não foram notificados casos de infeções graves, herpes zoster, neoplasias, acontecimentos adversos cardiovasculares major (adjudicados), acontecimentos tromboembólicos venosos ou óbitos.

Fonte: News Farma.

Artigos Relacionados

Estudo mostra que chia reduz risco de diabetes, obesidade e doença cardíaca

Priscila Torres

Programa Mulher: Doença de Crohn com Dr. Luis Bertoncello

Priscila Torres

Como a pressão alta traz riscos para nossa saúde?

Priscila Torres
Loading...
if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));