Importância da checagem da caderneta de vacinação pelo especialista em DII

Quando o diagnóstico de doença inflamatória intestinal é definido, é importante que o especialista cheque a caderneta de vacinação do paciente para saber se está imunizado antes de iniciar a imunossupressão, para não colocá-lo em risco.

Se houver surto de uma enfermidade e a vacina tiver o microrganismo vivo atenuado, cabe ao médico assistente avaliar os riscos e benefícios de interromper o tratamento para que o paciente seja imunizado. Sempre deve ser levado em consideração que o tempo entre a interrupção, a vacinação e o retorno ao tratamento é grande, com alto risco de reativação da doença inflamatória intestinal.

A Gastroenterologista Eloá Marussi Morsoletto acentua que, caso o diagnóstico da DII seja na fase ativa e grave da doença, deve ser iniciado imediatamente o tratamento medicamentoso e, em um período de remissão – com janela sem medicação imunossupressora – poderão ser aplicadas as vacinas pendentes.

“O paciente imunocomprometido deve tomar cuidado com pessoas do seu convívio diário que tenham tomado vacina de microrganismo vivo atenuado, pois podem transmitir a doença. Bebês que tomam a vacina contra rotavírus, por exemplo, eliminam o vírus pelas fezes, e as mães imunossuprimidas devem evitar o contato direto com suas secreções por cerca de duas semanas”, alerta a Gastroenterologista Eloá Marussi Morsoletto, sócia-fundadora do Grupo de Estudos de Doenças Inflamatórias Intestinais do Brasil (GEDIIB) e representante da ABCD em Curitiba.

O protocolo do Ministério da Saúde estabelece que o paciente que receberá medicamentos biológicos faça o teste tuberculínico (PPD) e os raios-X de tórax para excluir tuberculose latente, pois, com o início da imunossupressão, poderá ativá-la e desenvolver a doença. Caso o paciente não tenha caderneta de vacinação e não lembre se foi vacinado, é possível fazer dosagem de títulos de anticorpos de todas essas doenças para checagem de imunidade ou não.

Essa foi a parte 7 da série de textos sobre vacinas. O que você tem achado? Alguma dúvida? Continue acompanhando para não perder os próximos textos. Segue lá no Instagram: @farmaleachou

Fonte: Revista ABCD em FOCO Edição 61

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Que tenhamos sempre Paciência e Fé em Deus!

Aos 24 anos, fui diagnosticada com psoríase, além das lesões, no corpo, que me deixavam deprimida pelo aspecto de feridas, que não cicatrizam, todas...

Pare de testar sua doença

Eu aposto que você já quis parar o remédio só para ver se não precisava mais dele. E se você fez isso, aposto que se...

Obesidade deve ser tratada com a mesma seriedade que a artrite reumatoide

A obesidade é uma doença que deve ser tratada, com a mesma seriedade que tratamos a artrite reumatoide. Convivo com AR há 15 anos...