Depoimentos Notícias

Busquei forças no fundo do poço por amor a mim e minha família!

Tudo começou durante uma gravidez tão esperada e desejada, aquele momento sublime de realização se tornou muito doloroso, quase insuportável, passei a sentir dores em todo corpo, mal conseguia andar, pentear meus cabelos, dormir nem pensar, mas tinha que acordar cedo trabalhar.

Entre muitas idas as consultas de pré-natal, meu ginecologista muito preocupado com minha situação, me passou vários exames, até mesmo de lúpus, mas todos deram negativo.

Após uma cesariana meu bebê nasceu, fiquei enorme, parecia que continuava grávida e isso foi me deixando deprimida, até que com 41 dias as dores explodiram no meu corpo ao ponto de não conseguir fazer nada, suportei até os 2 meses do meu bebê, e um belo dia fui para o pronto socorro. Vários exames, ultra-som e nada, medicada me mandaram para casa.

Encaminhada ao reumatologista fui diagnosticada com AR, meu mundo desabou, foi um processo muito doloroso, de aceitação, pois dificilmente voltaria a trabalhar , pois sou ou era Policial militar, quis morrer, fiquei com depressão. 

Mas tive o apoio do meu esposo da minha filha, e olhar para o meu bebê sabia que ele precisava de mim.

Após muitos remédios entre eles os corticóides, passei ao biológico, tive melhoras mas sempre com dores.

Hoje estou na minha segunda reumato e é uma excelente profissional, estou aos poucos tirando o corticoide e em um segundo biológico, graças a Deus hoje estou melhor que ontem. 

Hoje posso cuidar da casa, cuidar do meu bebê que está com 3 anos, viajar, caminhar e fazer bolos que é minha paixão, quanto ao meu trabalho na PM tive que me afastar e pedir minha reserva.

Sim tem dias de difíceis, de insônia, de indisposição, mas hoje vejo esperança que o AR controle.

Nunca desista, procurar um bom reumatogista é fundamental, converse com as pessoas sobre o que sente, ajuda bastante.

Meu nome é Dienny Amanda, tenho 46 anos, convivo com q artrite a 4 anos, sou policial militar e moro em Manaus-AM.

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

É simples, preencha o formulário no link http://ow.ly/gGra50nFGJp

Doe a sua história!

#Depoimento

Artigos Relacionados

Doenças crônicas: Má sorte ter de esconder dores para trabalhar

Priscila Torres

Vivo uma vida normal dentro da minha realidade e limitações

Priscila Torres

Rapidez no diagnóstico da artrite evita deformações

Priscila Torres
Loading...
%d blogueiros gostam disto: