XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia acontece em Brasília de 24 a 27 de agosto

Brasília sediará entre os dias 24 e 27 de agosto, o XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia – Brasília 2016 Reumatologia e Arte, maior e mais importante evento científico da especialidade na América Latina. Reumatologistas do Brasil, Alemanha, Itália, França, Escócia, País de Gales, Colômbia e Argentina estarão reunidos para discutir sobre a prática diária na reumatologia, os avanços mundiais em diagnósticos e tratamentos para as diversas patologias na área. Serão 120 sessões científicas na programação do evento, que acontecerá no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, Distrito Federal.

O XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia – Brasília 2016 Reumatologia e Arte terá início com cursos pré-congresso, no dia 24 de agosto, com abordagem em atualização em reumatologia para o clínico, imunologia aplicada à reumatologia com novos alvos terapêuticos, dor na reumatologia e odontologia integrada à reumatologia, curso e exame de certificação em densiometria óssea, ultrassonografia e ressonância magnética na Reumatologia, além de oficinas envolvendo especialistas brasileiros e estrangeiros.

A partir do dia 25 de agosto, o evento se estenderá com a programação científica concentrada em conferências e sessões científicas, debates, mesas-redondas e abstracts selecionados a partir dos seiscentos trabalhos inscritos, sessões polêmicas e discussões de casos clínicos – batizadas para esta edição de CPI’s e Operações, em alusão e paródia aos aspectos políticos da cidade – que tornarão o evento o maior centro de discussões reumatológicas do País. A programação completa pode ser acessada pelo site  www.sbr2016.com.br.

Segundo a presidente do XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia – Brasília 2016 Reumatologia e Arte, Dra. Licia Maria Henrique da Mota, que também preside a Comissão de Artrite Reumatoide da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), trata-se do mais importante evento do País para o compartilhamento de informações e aprimoramento de conhecimentos entre os reumatologistas.

“Este ano deveremos reunir 2 mil especialistas para discutir e aprofundar temas que mais desafiam a vivência prática do reumatologista”, diz a presidente do congresso. Um dos pontos altos da programação científica será a discussão sobre doenças como a chikungunya e outras arboviroses que impactam na especialidade médica. “Vamos discutir profundamente os estudos dos registros brasileiros das principais doenças reumáticas, custos da artrite reumatoide no Brasil, além do impacto dos biossimilares”, afirma Dra. Licia Maria Henrique da Mota.

A presidente ressalta que entre as principais discussões no evento estão abordagens sobre as doenças de maior prevalência na população brasileira, entre as quais artrite reumatoide, osteoartrite, osteoporose, lúpus e gota. Uma das mesas-redondas que já está bastante concorrida nas inscrições pré-evento é a que discutirá a sexualidade do paciente com doença reumática. A abordagem à reumatologia pediátrica também será ponto alto do evento com uma programação intensa entre conferências, sessões clínicas e mesas-redondas.

Inédito na programação do XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia – Brasília 2016 Reumatologia e Arte, será também a realização do1º Encontro Nacional de Pacientes com Doenças Reumáticas. Entre as abordagens mais esperadas estão o anúncio do resultado da pesquisa Comparação entre pontos de vista de médicos e pacientes sobre a comunicação e o controle da artrite reumatoide (AR), que ouviu pacientes e médicos de 15 países, bem como a mesa redonda Relacionamento Ministério da Saúde & SBR & ANAPAR (Associação Nacional de Grupos de Pacientes Reumáticos).

Reumatologia e Arte
O XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia cuja temática é Reumatologia e Arte foi inspirado no conceito de que a Ciência e a Arte completam-se, constituindo vertentes necessárias da atividade intelectual. A cerimônia de abertura, no dia 24, às 20 horas, no Auditório do Planalto, trará uma vernissage e a entrega dos prêmios da SBR: Prêmio Luiz Verztman, Prêmio Edgard Atra, Prêmio Pedro Nava, Prêmio Jovem Pesquisador– Área Clínica, Prêmio Jovem Pesquisador – Área Básica, 2º Prêmio SBR/Pfizer de Jornalismo.

Apresentações de temas de arte relacionados à reumatologia, com duração de sete minutos, irão preceder as várias sessões científicas.

Concomitantemente, outra programação do Congresso terá como foco oficinas das mais diversas formas de representações artísticas, como fotografia, dança e exposições de arte, como uma atração à parte do evento científico, embora totalmente integrada à temática da reumatologia. Durante o congresso serão inauguradas exposições de obras assinadas por artistas plásticos conceituados, como Sérgio Rizzo, Omar Franco, Floriano Sampaio, dentre outros.

Debates e sessões em títulos cinematográficos

O evento, em sua edição 2016, que integra ciência e arte também buscou inovar no formato de apresentar e chamar atenção dos médicos para as mesas-redondas e sessões de debates. Na programação, títulos inspiradores como Sex and the City… and Rheumatology; De olhos bem fechados: Preconceitos na abordagem da sexualidade na prática clínica; O Kama Sutra da Reumatologia – Orientações práticas para pacientes reumáticos; Efeito borboleta: O presente e o futuro da nefrite lúpica; Sinais: Avaliação das espondiloartrites; Vidas secas: Síndrome de Sjögren; Os caçadores da erosão perdida: Predição do futuro em artrite reumatoide; Um sonho de liberdade: Fibromialgia; Bicho de sete cabeças: SNC e LES; O guarda-costas: Tratamento das espondiloartrites; A pele que habito: Esclerose Sistêmica; Fale com ela: Mulher, maternidade e suas peculiaridades; 256 tons de cinza: Descomplicando a ultrassonografia na reumatologia; Admirável Mundo Novo: Ética em tempos de WhatsApp; O que é isso, companheiro?: Controvérsias em artrite reumatoide; Missão (quase) impossível: O paciente reumático em estado crítico; De volta para o futuro: Gota – novas recomendações para uma velha doença; A casa de vidro: Osteoporose e O preço do amanhã: Avaliação dos recursos e custos da AR no Brasil.

Doentes reumáticos no Brasil
As doenças reumáticas já afetam 10% da população brasileira, com manifestações em pessoas de qualquer idade, alertam os especialistas da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR). Entre as mais frequentes estão osteoartrite, artrite reumatoide, osteoporose, fibromialgia, gota e lúpus.

Estimativas da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) apontam que a doença osteoartrite já atinge entre 25 a 30 milhões de brasileiros, a artrite reumatoide, doença que provoca inflamação nas juntas, acomete 1% da população, a osteoporose, mundialmente, afeta 1 em cada 3 mulheres e 1 em cada 5 homens acima da idade dos 50 desenvolvem a doença e a fibromialgia atinge 3% da população.

Existem mais de 120 doenças reumáticas catalogadas, que acometem o aparelho locomotor como ossos, articulações, músculos e cartilagens.

Fonte: Simpro

Social Media

Social media manager, digital influencer, blogueira, youtuber e redatora, ativista em saúde motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide há 7 anos, patient advocacy, mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

×

Social media manager, digital influencer, blogueira, youtuber e redatora, ativista em saúde motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide há 7 anos, patient advocacy, mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!