Sobre Mim

prietiSou mãe, filha, mulher, que convive com Artrite Reumatoide desde junho/2006, tinha 26 anos quando a AR chegou, era casada (separei e hoje estou casada novamente), estudante de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem, desde os 18 anos, trabalhava a anos seguidos com pacientes graves, estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros e não a minha dor!!

Tirar o Jaleco e virar paciente, foi muito difícil. Hoje dedico os meus dias para compartilhar tudo aquilo que aprendi enquanto profissional e agora enquanto paciente, a união dos dois conhecimentos é a dose certa este blog.
A doença me fez uma pessoa melhor, abriu meus horizontes, me fez enxergar a vida com outros olhos, me tornou mais humana, justa, equilibrada e sensível a dor do meu semelhante. Cancelei meu registro profissional (COREN) e hoje tenho o diploma, mais difícil que pode existir, o Título de Paciente. Sou graduanda do curso de jornalismo e busca a reabilitação profissional.

Como a Artrite Reumatoide chegou na minha vida ….
Pri_EnfermagemTudo começou com dores articulares, mãos, punhos, ombros, joelhos, tornozelos, eu associava ao estresse e excesso de trabalho, o meu filho era pequeno (tinha quatro anos), eu trabalhava à noite e estudava à tarde, durante um tempo me tomei medicamentos analgésicos e antiinflamatórios por conta (pratiquei a automedicação). Até que as dores se tornaram intensa e começaram a interferir a minha atividade profissional, comecei a ter dificuldade para o trabalho, minhas mãos se tornaram pesadas, desastradas, tudo caia, medicação, tampinhas de acessos venoso e cateteres, de repente, eu já não conseguia realizar um procedimento de enfermagem sozinha, precisava pedir ajuda para pulsionar uma veia, isso me chamou à atenção, procurei um médico – Ortopedista.

No ortopedista, recebi meu primeiro diagnóstico – Síndrome do Túnel do Carpo bilateral em grau avançado, com indicação cirúrgica, agendei a cirurgia, fui afastada do hospital, nunca mais voltei a trabalhar na enfermagem. Antes da data da cirurgia, acordei com dificuldade para levantar da cama, meus pés pareciam de vidro, minhas mãos não abriam, meus braços não erguiam, levei mais de uma hora para conseguir levantar da cama, neste dia fui a um pronto socorro de um hospital escola, e ali, depois de colher exames de sangue e fazer radiografias, recebi o diagnóstico de “artrite reumatoide”, foi como se o mundo parasse diante de mim e uma ameaça de destino soasse em meus ouvidos “sua vida acabou, você vai morrer torta, sem andar, precisando de ajuda para tudo, seu filho vai te empurrar na cadeira de rodas, você vai precisar de todo tipo de prótese”, eu só sabia chorar, chorar, chorar. Olhava no final do corredor onde tinha uma cadeira de rodas e imaginava como seria “ocupar permanentemente uma cadeira de rodas”, eu pirei, o diagnóstico de AR, me fez sofrer e chorar durante seis meses. Nunca operei da Síndrome do Túnel do Carpo, até hoje ela está aqui, acompanhando minha AR e derrubando todas as coisas da minha mão.

Meus primeiros nódulos, discretos, apareceram depois que fiquei sem conseguir tratar AR por conta da hepatite medicamentosa.
Meus primeiros nódulos, discretos, apareceram depois que fiquei sem conseguir tratar AR por conta da hepatite medicamentosa.

Até que um dia, eu resolvi, reagir e conhecer outras pessoas que tinha AR e acreditavam que era possível viver plenamente apesar da doença, foi assim que nasceu este blog!
De 2006 à 2009 eu vivi dias tranquilos, minha primeira medicação foi Cloroquina, que não fez efeito, logo fui para Metotrexate, que foi ótimo pra a AR e péssimo para mim, tomava MTX na segunda-feira e passava mal até quinta-feira, mas com ele, minha AR foi domada, até que em 2009 tive a tal da Neurite Ótica que não tem relação com AR, tive que parar de tomar MTX, foi quando experimentei diversas (tipo mais de um ano seguido) de pulsoterapias, fiz 06 infusões de ciclofosfamida, até que na sétima, tive uma grande hepatite medicamentosa e por pouco não tive o fígado fulminado e morri. Esse ano foi um ano negro da minha vida de paciente, nós sofremos muito, minha família sofreu comigo, pois, além de não termos um diagnóstico correto, não é comum pessoas com AR terem neurite ótica, a especulação médica foi grande, inúmeros exames, a dúvida do diagnóstico, um momento delicado que foi superado, a ciclofosfamida quase me matou, mas recuperou a minha visão, um momento de grande aprendizado.

pulsoterapia1
Com Patricia Gabriela (enfermeira), durante uma das minhas últimas pulsoterapia.

Descobri que a pulsoterapia é maravilhosa poderosa e robusta, mas seus efeitos colaterais são devastadores, eu durante o período de pulsoterapia, tinha que tomar altas doses de corticoide (tipo 80/100 mg/dia), logo, queria comer até a parede, minha fome era do deserto, meu desejo por chocolate e coca-cola era algo incontrolável, no final deste período (2009 à 2010) eu cheguei a quase 100 kilos.

Em 2011, decidi emagrecer, no ano de 2012 consegui registrar a eliminação de 23 kilos, minha barriga virou um avental,  foi uma luta para corrigir aquela barriga horrível, caída e cheia de estrias. Foi quando então, eu consegui a dura penas, fazer uma cirurgia de abdominoplastia corretiva (claro, tive que pagar, pois os ambulatórios do SUS, não aceitam pacientes de alto risco como nós). A cirurgia plástica foi realizada pelo querido Dr. Juan Carlos Montano, depois de uma peregrinação por consultórios, ele foi o único cirurgião plástico que aceitou me operar sem cobrar um preço diferenciado por eu ser um paciente com AR. A cirurgia foi tranquila, fui para casa no dia seguinte, mas o pós-operatório foi delicado, levei 45 dias para me recuperar, mas também passou!

Infusão
Infusão – Março/2015

Estou usando o meu terceiro medicamento biológico, que é o Rituximabe (Mabthera), o primeiro foi Adalimumabe (Humira) usei durante um ano e meio, o segundo foi Etanercepte (Enbrel), usei só durante dois meses, pois, por uma orientação médica fui repetir o exame de PPD (exame da tuberculose, aquele que fazemos no braço) veio com resultado forte reagente (26) e tive que parar o biológico e fazer a quimioprofilaxia, foi então, reiniciado o Leflunomida, e como nem tudo é perfeito, fiz a segunda hepatite medicamentosa que durou um ano e seis meses para estabilizar esse fígado teimoso, resumo da história, fiquei, praticamente dois anos, tomando apenas corticoide, até que pude ter autorização da hepatologista para fazer a quimioprofilaxia (tratamento preventivo da tuberculose), e depois de seis meses, em fevereiro de 2014, voltei ao tratamento biológico reiniciando com Rituximabe (Mabthera).

Fazer a quimioprofilaxia da tuberculose, pós hepatite medicamentosa não foi nada legal, as náuseas eram intensas, mal-estar gástrico, só de lembrar sinto calafrios! Mas passou!

Hoje, estou estudando Comunicação Social – Jornalismo, na sala de aula, utilizo apenas recurso digital para escrever, não faço provas escritas, não escrevo em cadernos, não faço trabalhos manuscritos e tenho um número de ausência nas aulas grandes, todos abonados com relatórios médicos, sem este tipo de apoio, eu não conseguiria estar estudando.

Pri=Ale
Meu amor companheiro

Casei de novo, com um homem que conheci já convivendo com AR e foi tudo tão, tão natural, ele nunca me olhou diferente por eu ter AR, na verdade, sempre me perguntam como é “namorar com AR”, gente é normal, eu nunca tive dificuldade com isso, às vezes, dói ali, dói aqui, é só uma questão de jeitinho e carinho. A única coisa que é obrigatório em um relacionamento com uma pessoa que tem AR é o mesmo que para todos os relacionamentos, o AMOR, pois somente com amor é possível entender os momentos de dor, e existe uma única forma de reconhecer o amor, no companheirismo, se é amor é companheiro.

Busca constant pela qualidade de vida.

Para conviver bem com AR, eu aprendi que se a gente parar, a AR para a gente, por isso, eu não paro, a pratica de atividade física é o melhor remédio para tratar a dor da AR, principalmente no frio, quando sentimos mais dores. Não pare nunca, se não a AR, para vc! No começo da doença eu sentia menos do que sinto hoje, mas, sofria mais, porque não sabia conviver com a dor, hoje, eu aprendi a conviver com a dor e consigo ter uma vida em harmonia com AR e suas doenças concomitantes.

A vida com artrite reumatoide é assim, uma constante readaptação, reabilitação e recomeço! E duas coisas eu tenho certeza: “Dor Compartilhada é Dor Diminuída”  e “Existe sim, vida após a Artrite Reumatoide” pois eu, estou vivendo ela!

A minha trajetória de vida com a artrite reumatoide, é descrita no menu Minha Vida com AR: http://artrite.marcosdesignweb.com.br/category/minha-vida-com-ar/

1 2 3 4 5 6

151 Comentários

  1. Olá Priscila! Muito legal seu blog!!!
    Gostaria de indicações de reumatologistas em Brasília ou Goiânia para confirmação de meu diagnóstico de EA. você teria?
    Obrigada por seu retorno. Abraços, Renata Lorena.

  2. Oi Pryscila, estou fazendo meu trabalho de conclusão de curso e o meu tema busca avaliar os benefícios do método Pilates no tratamento da artrite reumatoide. Estou precisando de 3 mulheres que tenham essa patologia e que praticou ou pratica o Pilates por no mínimo 3 meses. Você conhece alguem? o meu e-mail é j_pris@hotmail.com caso possa me ajudar, entre em contato comigo, por favor. Obrigada =)

  3. Ola PRI meu nome é Marcia por favor me responde tenho muitas duvidas sobre artrite reumatoide o resultado do meu exame (fan) deu 1/2560 outro fator reumatoide deu 16,0ul/ml e o vhs deu 30,0mm voce pode me falar si e artrite reumatoide que deu no meu exame ainda nao passei com o reumatologista minha consulta e dia 18

    • O fan alterado indica possibilidade de doença auto-imune o fato reumatoide (FR) pode ser positivo na artrite é em outras doenças, o VHS, alto indica inflamação, os exames para artrite serve para descartar outras doenças, o diagnóstico e fechado por um histórico e conjunto de fatores, no seu caso há uma suspeita é possibilidade de ser artrite reumatoide

  4. Oi meu nome é Marcia quero saber o resultado do meu exame deu 16,0 ul/ml e outro vhs 30,0 mm fator anti-nuclear(fan) nuclear pontilhado centromerico 1/2560 é artrite reumatoide resonde por favor obrigada

    • Olá, Marcia
      Infelizmente eu não posso te ajudar, a interpretação de resultado de exames, deve ser realizada pelo médico que solicitou os exames, pois a orientação médica é baseada no resultado dos exames e naquilo que o médico observa através da consulta e exame físico.
      Anote todas as suas dúvidas em um papel e leve par ao seu médico no dia da consulta, dessa forma, você não se esquecerá de nada.

      Boa Sorte e desculpe não poder ajudar.

  5. OLA PRI MEU NOME ELLEN SOU DOO RIO E MEUS FILHOS TEM UMA SINDROME GENETICA CHAMADA CACP ELES SE TRATAM NO SETOR DE REUMATOLOGIA DO H. MUNICIPAL JESUS AQUI NO RIO VC PDERIA COMENTAR SOBRE ESSA DOEÇA C/ OS MEDICOS QUE VC CONHECE TE AGRADEÇO ,OBRIGADA

  6. Bom dia Priscila,
    Minha mãe é portadora de Espondilite Anquilosante e há mais ou menos 15 dias ela esteve internada devido a uma pneumonia. Ele pode tomar a vacina anti-gripe?

    Obrigada!

  7. Olá Priscila, 

    Tenho 25 anos e há 02 meses atras fui diagnosticada  com AR. Para mim ainda é muito difícil entender o porquê de ter acontecido. Confesso que antes do diagnóstico não tinha conhecimento sobre a doença. Porém , após ter conhecer, comecei a buscar informações e achei  seu blog que é muito informativo e ajuda bastante.

    Faço uso de Metotrexato, Prednisona e Ácido Fólico, a médica informou que o tratamento é 06 meses.
    Faço fisioterapia nos joelhos e pés.
    Mais apresento dores matinais, a rigidez, o inchaço!!

    É muito importante ter um espaço onde tenhamos informações e compartilharmos.

    Desejo melhoras a todos nós !!

    Abraços!!

  8. Olá, tenho 35 anos, sou casada e tenho dois filhos lindos, e desde muito nova sinto muitas dores e inchaços seguidos de vermelhidão, mas só fui diagnosticada com Artrite reumatoide há oito anos, já tomei muitos tipos de medicação mas até agora nada, o que alivia um pouco é o corticoide, e que essa semana soube que por causa dele estou com um problema nos olhos que é a catarata, quando soube fiquei arrasada, no momento estou sem acompanhamento pois minha médica deixou de atender meu plano….é muito bom saber que pessoas como vc apesar do AR, ainda reserva um tempinho para ouvir….que DEUS te abençõe….bjos

  9. Boa tarde Priscila!
    Primeiro de tudo, perdao pela falta de acentuacao. Moro no exterior e meu teclado nao tem suporte…
    Estava pesquisando sobre artrite reumatoide e achei seu site.
    Tenho 23 anos… Tive uma crise que durou 4 dias, na qual a mao ia cada vez inchando mais, doendo mais, ficando mais quente e mais impossivel de mexer. Fui deixando, achando que ia passar e que podia ser LER, ate que um dia ficou insuportavel, eu nao conseguia mais mexer a mao completamente pois a dor era horrivel. Fui no hospital e tomei hidrocortisona, e fiquei la ate aliviar. Fui num reumato, fiz exames, e fui diagnosticada ha 6 meses atras com AR.
    O mais triste disso eh, trabalhava como designer grafica e ilustradora, e nas horas vagas continuava com desenhos, por hobby. Hoje nao consigo mais ficar por horas desenhando como antigamente – na verdade pouco mais de uma hora ja eh o suficiente pra me dar muita dor. Era minha paixao, e eu tive de abandonar. Pra quem ama esse hobby, a vida eh sem sal, sem aquele brilho que a arte da. As vezes ainda arrisco. Mesmo assim, tive de diminuir o ritmo, ja que hoje mal consigo abrir uma tampa de garrafa pet sem a mao reclamar um pouco.
    Eu me identifiquei muito contigo, pois ambas fomos jovens diagnosticadas com AR e tivemos de largar a profissao. Queria te agradecer pelas informacoes e pelo teu empenho em ajudar as pessoas da nossa causa, pois tem muita gente que ainda acha que nossa dor nao doi, e somos mentirosas/reclamonas. Tudo de bom pra ti e muito sucesso em tudo que tu fizeres. Abraco.

    • Lari, agora é adaptação, talvez você consiga fazer tudo o que gosta, mas, agora de uma forma diferente, existe alguns utensílios que podem ser adaptados a lápis, canetas, pinceis que te ajudarão a fazer o que gosta com menor impacto sobre suas mãos, além de poder usar talas de proteção nas mãos para te ajudar a realizar atividades de vida diária.
      Existe vida após a artrite reumatoide, porém, uma vida readaptada!! Estarei aqui para te ajudar a encontrar essa nova forma de viver!! Abraços

  10. Boa tarde Priscila, estava no google pesquisando sobre condromalácia e encontrei seu blog!!! Assim como vc, trabalho como aux. de enfermagem e minha rotina é muito dinâmica, preciso caminhar muito, subir, descer escadas e, às vezes, até correr e em determinados momentos no trabalho, me sinto impossibilitada de fazer isso e vou até mancando, mas nesses últimos meses tem sido difícil, porém passo no médico ele dá um “atestadinho” do dia e fica por isso mesmo.
    Descobri a condromalácia em meu joelho D, no fim de 2012, qdo comecei a sentir umas fisgadas e o joelho falseava qdo caminhava e o medico pediu ressonancia.
    Agora pouco, tive uma dor insuportavel, qse chorei, não consegui andar e fiquei parada esperando a dor passar, depois saí mancando. Amanhã volto a trabalhar e não sei o q posso fazer. É necessário afastamento para o tratamento?

    • Alê, o tratamento da Condromalacia é composto por atividade física sem impacto articular, uso de medicamentos condiloprotetores e fisioterapia, para que o joelho tenha melhora é importante fazer o fortalecimento muscular dos músculos das pernas, a resposta ao tratamento é longa e quanto a necessidade de afastamento do trabalho, tudo isso depende da sua avaliação e da decisão tomada em acordo com o seu médico assistente, se existe dificuldade para o trabalho, instabilidade de joelhos, é importante que vc faça essa avaliação. Lembrando que o INSS, está cada vez mais rigoroso para conceder o auxílio doença, é preciso avaliar direitinho, mas acho que vale a pena tentar uma recolocação dentro do hospital em um setor mais tranquilo.
      Boa sorte!!!

  11. Ola Priscila meu nome e Amanda tenho 27 anos ha cinco anos fui enternada com muitas dores de cabeça nao acharam nada,os medicos falaram que era coisa da minha cabeça,me deram alta os sintomas nao passaram,um ano e meio depois tive outra internaçao,tive um derrame pleural meu fan deu positivo,muitas dores nas articulaçoes inchaço das pernas e membros,suspeitarm de Lupus,desde entam venho tomado remedio para essa doença aposdois anos com esse tratamento,continuava todos os sintomas ulceras nas genitarias,boca,rosto,e caroços nas pernas,ainda estava na pesquisa,hoje fui diagnosticada com a doença de behçet,gostaria de saber mais sobre a doença,se tenho a possiildade de aposentar,desde ja agradeço

    • Diagnóstico e tratamento

      O diagnóstico baseia-se no exame físico porque nenhuma análise de laboratório detecta a síndroma de Behçet. A confirmação do diagnóstico pode levar meses, já que os sintomas são semelhantes aos de muitas outras doenças (como a síndroma de Reiter, a síndroma de Stevens-Johnson, o lúpus eritematoso sistémico, a doença de Crohn e a colite ulcerosa).

      Embora esta síndroma seja incurável, os sintomas específicos podem ser aliviados na maioria dos casos com um tratamento adequado. Por exemplo, a aplicação local de um corticosteróide ajuda a curar os olhos inflamados e as feridas na pele. As punções com agulha devem ser evitadas porque podem inflamar. Os doentes com uma inflamação intensa dos olhos ou do sistema nervoso podem precisar de um tratamento com prednisona ou outro corticosteróide. A ciclosporina, um medicamento imunossupressor, pode ser administrada quando os problemas oculares são graves ou quando a prednisona não controla os sintomas de forma adequada.

  12. Gostei muito desse teu blog, minha mulher é portadora de EA e ela identificou-se muito com pessoas do seu blog. Parabéns o trabalho q você faz é muito bonito.

  13. Parabéns pela sua luta… incrível como a maturidade e as doenças mudam nossos conceitos básicos. A diferença entre profissional da saúde e paciente é muito sutil e sempre nos leva a várias reflexões.
    Apesar de médico não clinico em consultório, porém pesquiso o que posso e procuro escutar ao máximo aquilo que pode ser entendido, pois as soluções não estão prontas e somente o estudo contínuo e sério nos leva ao campo das melhorias.
    Tenho minhas dores reumáticas, artralgias migratórias (uma articulação por inverno), mas longe de ser algo ainda diagnosticado. O m, eu tratamento é fisioterapia resistida, ou seja, musculação com fisioterapeuta.
    Com o tempo, colocarei algins conceitos aqui.

  14. Priscila parabéns,seu blog esta maravilhoso e ajudando muitas pessoas.
    Obrigada pela gentileza em falar comigo e orientação como escrever a carta para a Caixa Economica Federal.

  15. OLA EU TENHO DOENÇA DO QUADRI CI10 M16 OU CID 10 M91.EU MANCO E TENHO A PERNA DOENTE MAIS CURTA GOSTARIA DE SABER SE EU SOU DEFICIENTE FISICO

  16. Olá tenho AR há sete anos e agora vou começar a tomar medicação biológica, nunca tive crises horríveis como as que vi citadas aqui neste blog, mas a dor nunca me deixa em paz, sempre aquela dor chata que me impede de realizar algumas atividades como por exemplo escrever ou colocar uma roupa, as atividades domésticas também ficaram bem limitadas. Atualmente tomo Arava, anti-inflamatórios, ant-idepressivos, remédio para presão, tenho 35 anos, moro no acre e acredito que não estou sendo bem acompanhada, pois minha médica nunca pede exames que avaliam a evolução da doença, somente pede exames bem simples como funçaõ figado, dos rins e outros, no entanto me passou a medicação biológica humira já consegui pelo Estado no entanto estou com receio de aplicar. O que vc sabe sobre esse médicamento??
    Grata,
    Ana.

    • Olá, Ana.
      Exames de sangue ou de imagens para acompanhar evolução da AR, nem sempre devem ser solicitados a todo momento, porque são caros e não determinam muitas mudanças na conduta médica, pois o médico reumatologista pode basear a mudança de medicamentos segundo aquilo que ele vê através da avaliação médica (exame fisico e relatos do paciente). E esses exames básicos que você faz sempre, servem para avaliar a função dos rins e fígados e com certeza os níveis de atividade inflamatória, que certamente deveriam estar altos e por isso o médico resolveu mudar o seu medicamento.
      Nem sempre exames caros, significam médicos bons!
      Super boa sorte nessa nova jornada.
      Abraços!!

  17. Amei esse blog sobre Artrite Reumatóide. Tenho AR desde 1998, exatamente 15 anos.Começo segunda 15/04/13 a tomar o MABTHERA, já usie ARAVA, CLORAQUINA, HUMIRADICLOFENACO DE SÓDIA E POTÁSSICO, E POR ÚLTIMO IBUPROFENO DE 600 MG 2X DIA, E DESDE AGOSTO 2012 TOMO PACO (paracetamol com codeína) QUANDO A DOR APERTA. A CLORAQUINA ME DEIXOU COM RESSECAMENTO NA RETINA. E PARA PIORAR SOU DIABÉTICA MELITUS 1 DESDE 2 ANOS DE IDADE.

  18. Simone, leia a bula dos seus medicamentos, isso que você está sofrendo provavelmente é decorrente dos medicamentos. Procure o site curassecretas e vc terá todas as respostas.Sou esclerodermico e minha irmã tem AR, vivemos hoje normalmente com as instruções ali contidas.abraços

  19. Mostrei seu blog para minha mãe que convive com artrose e condropatia a mais de anos nos 2 joelhos e agora ela não se sente mais sozinha para combater tanto a doença quanto o preconceito e descaso do poder público!!! Agora mesmo debilitada, ela sente que terá o apoio necessário das pessoas que sentem e sabem exatamente aquilo que ela tá passando!
    Obrigada!

  20. Olá Priscila, conheci seu blog por acaso e gostei muito ao saber que há uma fora de compartilhar o que sentimos, essas dores horríveis que outras pessoas não entendem. Comecei o tratamento como AR, porém tenho psoríase há 20 anos, encontrei um médico maravilhoso em minha cidade que me diagnosticou como artrite psoriásica, além das dores terríveis meu corpo fica coberto com as lesões dessa doença, então ele me indicou o INFLEXIMABE, e agora estou sofrendo os efeitos colaterais deste medicamento, mas, tenho duas crianças pequenas que me dão forças para continuar qualquer tratamento, eles me massageiam, me ajudam a passar os cremes necessários pelo corpo e quando estou com dores fortes ficam ao meu lado segurando em minha mão, um marido que cuida de mim sempre que preciso e amo o trabalho que tenho,comecei a tomar o remédio e tudo estava bem mas nesta semana tive uma perda na família e a psoríase e as dores voltaram com força total, mas assim vou vivendo, tenho muita gente ao meu lado que dependem de mim e me dão forças para viver!!!!

    • Olá, Vanessa!
      Sinto muito pela sua perda, certamente é um momento de muita dificuldade e abalo emocional e isso reflete sobre a nossa doença.
      Forças sempre e nunca desista da vida 🙂 vc tem um motivo maior para superar todos os limites.
      Bjs

  21. Oii.. gostaria de conversar com vc sobre a sua situação com a vesícula biliar e o remédio prednisona… se puder me mandar um email ou seu perfil na rede eu agradeço.. obrigada!

  22. Priscila esquecer de perguntar, moro em Sergipe, você alguem ou alguma associação aqui no meu Estado que eu possa fazer parte? para pelo menos dividrir minhas dores com quem tambem conhece o assunto?

  23. Oi, sou Rosimeire mãe de uma menina de 4 anos, começei a sentir fortes dores nas articulações desde do quinto mes de gestação dores que o médico achava que seria da gestação com 3 mes de nascida foi dianosticado artrite reumatoide tive que parar de amanentar e muitas vezes nem podia nem pentear o cabelo, ja fui a varias reumatologistas, mas ultimamente alem das dores o inchaço nos punhos, mos tornozelos. Mas a dor maior é ouvir a pergunta de minha irma você ta doente de que? o marido quem ta doente fica em casa, isso porque estavamos em uma festa e eu não pode colocar minha filha no colo por estar com muitas dores nas pernas.

    • Sinto muito, Rosimeire.
      Infelizmente quando não temos compreensão da família tudo se torna mais dificil.
      Busque um médico reumatologista que possa assumir o seu caso, e procure levar alguémn da sua família nas consultas com vc, dessa forma eles vão aprender sobre a doença e vão descobrir que vc não está brincando.
      Bem vinda ao Blog
      Super forças para vc 🙂

  24. Priscilla
    Bom dia
    Li aqui no blog que você irá retornar ao trabalho. Me surgiu uma duvida: – Mesmo aposentada eles te encaminharam para a reabilitação, e te liberaram para o trabalho, o que eles alegam? Também sou da área da enfermagem estou afastada desde julho de 2011, tenho EA e faço uso de Enbrel, e minha médica assistente em seu relatório sempre solicita minha aposentadoria, relatando sobre os efeitos do biológico e a baixa imunidade . Eles podem me mandar para a reabilitação ou continuar afastada com auxílio doença? Desde já agradeço pela atenção.
    Abraços.

    • Rita, a minha aposentadoria é pelo emprego federal, estatutário e pela Lei do Regime Jurídico Único da União, consultei o RH e fui informada que a decisão da aposentadoria pelo cargo federal não será revogada e que nada tem haver com a decisão do INSS, portanto, eu poderia voltar reabilitada pelo INSS, o que não posso é exercer outro cargo publico.
      Quanto a reabilitação, não existe consenso médico, eu ainda não tive tempo de ouvir o médico do trabalho, pois estou nessa correria de vida de paciente. Mas o hospital foi pressionado pelo INSS para me aceitar em cargo administrativo, eu não vejo que é o momento certo para fazer isso, até acredito na reabilitação, porém, não dessa forma imposta tipo que obrigatória do INSS, farei todos os processos e no momento em que me sentir prejudicada usarei dos meus direitos para me defender.
      Sim.. vc pode tanto ter alta, como ser encaminhada para a reabilitação.
      É.. em breve, eu publicarei detalhes sobre a minha reabilitação.

      Bjs

    • Helena, eu somente fui aposentada do meu cargo publico federal, que tem lei especifica e muito diferente do INSS, a minha aposentadoria aconteceu por decisão de uma junta médica composta por 06 médicos. E quanto ao INSS, estou em processo de reabilitação, o INSS reconhece que tenho uma deficiência e determinou que devo voltar a trabalhar em um outro cargo.

  25. Oi Priscila meu nome é Marcio e tenho artrite reumatoide psoríase algum tempo esse ano em abril entrei em auxilio doença até novembro e agora me deram alta, ja estou usando humira 40 ml injetavel a cada 14 dias mas mesmo assim tenho muitas dores, como fazer para conseguir me aposentar ja que trabalhei a vida toda desde 18 anos hoje tenho 44 anos.

    • Olá, Marcio

      Muito dificil responder a sua pergunta.
      A aposentadoria por invalidez está cada dia + dificil, o INSS quando não dá alta, encaminha para a reabilitação.
      Minha sugestão é, a Justiça Federal Especial, você não precisa pagar advogado, basta comparecer a uma unidade da Justiça Federal Especial, lá vão te pedir uma relação de documentos, após levar todos os documentos será marcado uma pericia judicial, onde o perito geralmente é médico especialista e entende um pouco mais sobre a doença.
      Boa sorte!!

Deixe seu comentário aqui!