Por que algumas dores são maiores do que outras?

Se você tem alguma dor de “estimação”, aquela que nunca vai embora ou, se vai, volta rapidinho, que não tem causa aparente e que te impede de viver um dia a dia saudável, investigue!

Duas pessoas podem ter o mesmo tipo de dor, mas uma efetivamente “doer” mais do que a outra. Sabe por que? Porque nossas dores estão conectadas com situações e memórias que trazem mais ou menos apego e conexão!

Segundo a fisioterapeuta Fresia Sá, que realiza um trabalho com foco em saúde integrativa, algumas dores podem ser maiores do que as outras, mesmo que sejam mais simples e até mais amenas, se olharmos pelo lado clínico. Mas por que isso acontece? “Nossas dores estão conectadas com situações e memórias que trazem mais ou menos apego e conexão. Enquanto uma dor de cabeça pode ser suportável e passar facilmente para algumas pessoas, para outras pode ser um tormento e remeter a tempos mais difíceis, mesmo que de forma inconsciente”, explica ela.

Frésia lembra: “tudo que vivemos deixa marcas no nosso corpo, seja nas memórias conscientes, seja nas células de determinados tecidos. Algumas técnicas que usamos conseguem detectar essas memórias e descobrir se há informações que envolvem aquela dor ou doença que teima em não ir embora, e que podem estar nos afetando silenciosamente”.

Pelo fato de nossas dores e doenças estarem, normalmente, conectadas a emoções vividas, é quase impossível comparar situações: “duas pessoas diferentes podem ter reações à dor totalmente opostas. Em uma, será apenas a dor em si, em outra, um universo inteiro de sensações, medos, angústias. Por isso o tratamento de dores crônicas precisa levar em consideração o histórico, o sistema familiar, a complexidade de cada pessoa”, enfatiza a fisioterapeuta.

Algumas dores, mesmo iguais, realmente são maiores do que as outras

“Quando algo nos dói mais do que esperamos, é preciso investigar: algo a mais existe aí, pode ter certeza”, explica Fresia: “talvez algum fato que aconteceu na infância, talvez algum sentimento reprimido, algo que nos faz sentir mais do que simplesmente a dor, mas todo o histórico de conexões que ela traz à tona. Da mesma forma que para alguém que teve um trauma com água é muito mais difícil aprender a nadar, para alguém que teve um evento traumático que resultou na dor será mais difícil encontrar a cura. Porque ela está conectada não apenas às reações químicas e físicas do organismo, mas ao conjunto de reações emocionais ligadas ao fato em si”.

Portanto, se você tem alguma dor de “estimação”, aquela que nunca vai embora ou, se vai, volta rapidinho, que não tem causa aparente e que te impede de viver um dia a dia saudável, investigue! Descubra se ela não está conectada a alguma memória traumática ou a alguma crença que você gerou, e que a mantém na sua vida como se fosse necessária. A dor nunca é! Ela é um alerta, se não de um fator físico, de um processo emocional ou psíquico que precisa ser tratado. Buscar ajuda para ter uma vida melhor é possível. Muito mais do que isso, é fundamental.

 

Sobre a Biointegral Saúde

A Biointegral Saúde é uma clínica especializada no tratamento de memórias traumáticas e crenças limitantes, com foco na saúde integrativa e em tratamentos personalizados, que visem eliminar as causas primárias de dores e doenças crônicas. Utilizando técnicas como a Microfisioterapia, o PSYCH-K® e as Barras de Access, entre outros, os fisioterapeutas Frésia Sa e Sergio Bastos Jr buscam a integridade dos potenciais de seus pacientes. Entre aqueles que procuram por mais qualidade de vida e por um dia a dia mais pleno e saudável estão esportistas, influenciadores digitais, celebridades e outras pessoas que são atingidas diariamente por estresse, auto cobrança e síndromes e que retornam ao controle da própria vida e atingem estágios mais amplos da sua saúde física e emocional com o trabalho da Biointegral Saúde.

Comentários
if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));
%d blogueiros gostam disto: