O inverno está chegando, como se proteger de gripes e resfriados?

Em Brasília o frio costuma se intensificar a partir de junho. Devido à aproximação do inverno, com a chegada precoce – e incomum – das chuvas e das baixas temperaturas, doenças respiratórias como gripes e resfriados costumam incomodar a população. A mudança de clima também traz o alerta sobre outras enfermidades como faringite, asma, bronquite, pneumonia, sinusite, rinite alérgica e amigdalite, infecções respiratórias comuns nessa virada de estação.

Engana-se quem pensa que trancar janelas e portas, evitar o vento frio ou a hiperexposição pode ser uma saída para não adoecer. Com essas atitudes, abrimos caminho para aglomeração de ácaros e fungos e a proliferação de vírus e bactérias. Segundo a otorrinolaringologista do Hospital Santa Luzia da Rede D’Or São Luiz, Luciana Watanabe, o ideal é que as pessoas deixem os ambientes bem ventilados durante o dia, pois espaços fechados aumentam as chances de contaminação.

Já durante a noite o ideal é cortar as correntes de ar, ainda mais quem tem filhos pequenos ou pessoas idosas em casa, pois a temperatura cai muito e pegar esse vento frio pode adoecer as pessoas”, explica a otorrinolaringologista. Os vírus que causam as gripes e resfriados têm um comportamento sazonal. “Os resfriados comuns podem ser causados por vários tipos de vírus, sendo o rinovírus o mais comum. A sazonalidade dessa infecção varia entre os tipos de vírus”, completa Luciana.

A baixa umidade do ar é outro vilão da estação. “A baixa umidade aqui em Brasília é um problema sério. Esse tempo resseca todas as nossas mucosas – coberturas internas do nariz, da boca, da garganta, traqueia – esse ressecamento pode favorecer a ação de micróbios e o aparecimento de infecções, além de facilitar o sangramento do nariz”, alerta a médica do hospital Santa Luzia.

A pneumologista do Hospital Santa Helena, Bianca Coutinho, esclarece que o diagnóstico é principalmente clínico e que apenas casos mais graves podem necessitar de exames complementares. “A maioria dos casos necessita de tratamento sintomático apenas, como analgésicos, repouso relativo e medidas para congestão nasal. Os casos mais graves podem precisar de medidas adicionais”, elucida a pneumologista.

Bianca Coutinho lembra que o vírus influenza – também conhecido com H1N1 – costuma ser mais encontrado durante o inverno nas regiões norte e sul do globo, mas, nos trópicos, ele pode ser encontrado durante todo o ano. “Como a transmissão ocorre por gotículas e contato próximo com pessoas contaminadas, além de toque de mãos, a aglomeração de pessoas em locais fechados pode aumentar esta transmissão”, alerta.

As medicas da Rede D’Or São Luiz aconselham algumas medidas simples para se proteger dessas infecções respiratórias e manter a saúde plena com a chegada do inverno e do tempo seco. Vacinar-se contra a gripe, beber bastante água, lavar o nariz com soro fisiológico, alimentar-se adequadamente, evitar atividades físicas intensas, lavar constantemente as mãos – esse é o principal canal de contaminação – evitar contato com fumaça, poluição, poeira e evitar aglomerações.

FINAL DA CAMPANHA CONTRA A GRIPE INFLUENZA

É importante lembrar que a campanha de vacinação contra a gripe influenza, promovida pelo Ministério da Saúde, que terminaria hoje (26) foi prorrogada para o dia 9 de junho.  A vacina protege contra os vírus H3N2, Influenza B e H1N1. Devem ser imunizadas crianças de 6 meses a 5 anos incompletos, idosos com 60 anos ou mais, indígenas, gestantes, mulheres que tiveram bebês no máximo a 45 dias, presidiários, agentes prisionais, portadores de doenças crônicas, profissionais de saúde e professores.

Segundo balanço do Ministério, até o dia 24 de maio, 467,3 mil pessoas foram vacinadas no Distrito Federal. O público alvo da campanha no estado é de 551,8 mil pessoas, desse total, 64,1% foram vacinadas.  A meta estabelecida pelo Ministério é vacinar 90% desse grupo.

 

Jornalista

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

×
Jornalista Grupar EncontrAR

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!