Novas orientações para controlar a artrite reumatoide no Brasil

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) atualizou suas recomendações para o controle da artrite reumatoide, condição marcada por uma agressão das células de defesa às juntas. “Trata-se de uma condição que atinge 1% das pessoas e responde por 20% dos gastos do Ministério da Saúde com medicações de alto custo”, observa a reumatologista Licia Maria Henrique da Mota, da SBR e da Universidade de Brasília.

O consenso leva em conta o lançamento de novas medicações e estabelece uma ordem de preferência para o uso de cada classe farmacológica (entenda melhor abaixo). “Queremos oferecer o que há de mais moderno no mundo, sem deixar de considerar a realidade do nosso país”, completa a especialista. A ideia é que, com o aval da diretriz, o governo passe a oferecer mais opções de remédios pelo sistema público.

Na artrite reumatoide, células de defesa entram em parafuso e atacam a membrana sinovial, estrutura que recobre as articulações. Com isso surgem as dores, a perda de movimento e as deformações. Isso, claro, se o tratamento não for adequado.

Tratamento reforçado

Caso a primeira linha de remédios não resolva, existem alternativas

  • Plano A

Comprimidos conhecidos pela sigla DMARDs são os preferidos. O mais comum deles é o metotrexato.

  • Plano B

Caso eles falhem, entram em cena os biológicos injetáveis. Há oito opções diferentes por aqui, como os anti-TNF.

  • Plano C

Por fim, restam os inibidores de janus quinase. Eles atuam contra uma proteína que está envolvida no processo inflamatório.

Muito além da farmácia

A atividade física, com recomendação médica e supervisão de profissionais capacitados, é essencial para frear o avanço da doença e melhorar a qualidade de vida. Os exercícios recuperam a amplitude dos movimentos e aliviam a dor.

Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/diretrizes-artrite-reumatoide-no-brasil/

Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!