Movimento #VAIPORMIM Mobiliza a família para prevenção do câncer de intestino

image001 (1)Terceiro tipo mais frequente em homens e o segundo em mulheres no Brasil¹, o câncer de intestino acomete mais de 32.000 pessoas todos os anos. Se descoberto precocemente, pode ser curável, mas infelizmente como muitos pacientes são diagnosticados tardiamente, a doença ainda é fatal em 43% dos casos¹.

Por conta disso, a Associação Brasileira de Prevenção ao Câncer de Intestino – ABRAPRECI apoia o Movimento #VaiPorMim, que tem o objetivo de sensibilizar a sociedade para a seriedade do câncer de intestino, engajando a família na prevenção e diagnóstico precoce. Trata-se de uma iniciativa da Johnson & Johnson Medical Brasil e Roche, com apoio da ABRAPRECI, Sociedade Brasileira de Coloproctologia e NewContent. Focada nas mídias digitais, #VaiPorMim aborda o tema de forma simples e interativa, com histórias reais de famílias que passaram pelo câncer de intestino.

O Movimento convida a população a gravar um vídeo incentivando aqueles que amam a cuidar da saúde fazendo exames preventivos e buscando o diagnóstico precoce.

O vídeo estará disponível no site www.movimentovaipormim.com.br

Por meio de aplicativo, é possível compartilhamento de uma mensagem gravada nas redes sociais, além de fotos customizadas.

“O câncer é uma doença que atinge não só o paciente, mas a todos a sua volta. No caso da neoplasia de intestino, quanto antes a doença for identificada melhores as chances do tratamento e de cura. Por isso vamos sensibilizar as pessoas por meio da única voz que elas escutam: a da própria família”.

Dra. Angelita Gama, presidente da ABRAPRECI e especialista no tratamento do câncer de intestino.

No vídeo de divulgação da campanha, familiares de pacientes contam emocionados como foi enfrentar o diagnóstico do câncer de intestino e apoiar quem tanto amam em um momento difícil. “Foi bem duro, com filhos tão pequenos e tanta incerteza do futuro. Você pensar em um câncer, com menos de 40 anos, cai na vida do casal como uma bomba”, relata Antônio Sérgio, marido da Adriana, que descobriu o câncer em 2009, aos 39 anos. Após sentir muitas dores abdominais, o médico sugeriu uma colonoscopia que detectou a doença. Sabendo da gravidade do tumor, Adriana pediu ao pai que também fizesse o exame: deu positivo. Ele iniciou o tratamento e, como a filha, conseguiu se livrar da doença. Histórias como essa, poderiam ter desfechos infelizes, caso o câncer não tivesse sido descoberto precocemente.

“Convidamos todos os brasileiros a se juntarem a nós nessa iniciativa e gravarem seus próprios vídeos fazendo esse apelo de cuidado pela família e, ao compartilhá-los, utilizar #VaiPorMim” Dra. Angelita Gama

Prevenção

A prevenção deve aliar os exames diagnósticos de rotina à alimentação saudável. Para esse tipo de câncer, uma dieta rica em alimentos de origem vegetal é um fator que inibe o desenvolvimento. De acordo com os especialistas, o consumo exagerado de carne vermelha e bebida alcoólica, baixa ingestão de cálcio, obesidade e falta de exercícios físicos são alguns dos fatores que aumentam o risco de desenvolvimento dessa doença.

Diagnóstico e tratamento

Geralmente os tumores do intestino começam por pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Ao realizar um exame preventivo – como a colonoscopia, e identificar esses pólipos, o médico pode fazer a remoção antes deles se tornarem malignos e, futuramente, se espalharem para outros órgãos.

Alguns sintomas podem alertar o paciente de uma anormalidade no intestino. “É preciso ficar atento a qualquer mudança no hábito intestinal, incluindo diarreia, constipação ou uma alteração na consistência das fezes; sangramento retal ou sangue nas fezes; desconforto abdominal persistente, como cólicas, dor ou gases; sensação de que o intestino não se esvazia completamente; fraqueza ou fadiga e perda de peso sem explicação”, alerta o Dr. Ronaldo Salles, médico proctologista e presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, entre 2014 e 2015.

De acordo com o especialista, o tratamento para o câncer colorretal pode ser feito por meio de cirurgia em conjunto com outras terapias. “No caso da cirurgia, é retirada parte do intestino em que está localizado o tumor, assim como os linfonodos ou gânglios linfáticos. É por meio da análise desses gânglios que fazemos o estadiamento do câncer”, explica Dr. Salles. Os tratamentos associados a cirurgias variam para cada paciente, são eles:

Quimioterapia

É o tratamento medicamentoso que combate as células cancerígenas e pode ser feito antes do tratamento cirúrgico e após a cirurgia de acordo com o resultado da biópsia.

Radioterapia

São radiações direcionadas nas células tumorais que tem por objetivo destruí-las ou limitar seu crescimento. É utilizado em tumores no reto e em alguns casos de intestino

 Terapia-alvo

Quando a doença está em fase metastática, os tratamentos mais inovadores envolvem a combinação de quimioterapia clássica com medicamentos-alvo direcionados. Esses medicamentos direcionam o tratamento para as células infectadas, considerando a necessidades e características específicas dos pacientes.

 Cecília Valenza  | Account Manager

T  +55 (11) 3185.0800 Ext. 0821

JeffreyGroup | Marketing and Corporate Communications

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!