Tuberculose Latente e Artrite Reumatoide

Minha experiência com a Isoniazida!
Como já havia comentado, desde antes de começar o medicamento biológico em 2011, meu PPD (teste da tuberculose) era reagente de 10 mm. A Sociedade Brasileira de Reumatologia traz por consenso, realizar o tratamento profilático, quando o PPD for igual ou superior a 5 mm. Na ocasião, por conta da violenta hepatite medicamentosa que tive em 2010, a infectologia avaliou risco x benefícios e junto com o pneumonologista liberou o uso do biológico sem fazer a quimioprofilaxia. E assim foi feito, fiz uso de medicamento biológico Anti-TNF até o mês de Maio de 2012, quando por orientação da minha primeira reumatologista, repeti o PPD e o resultado foi de 26 mm.

PPD forte reator Positivo

Desta forma, estou sem medicamento biológico desde Maio/2012, exatos 20 meses, e há 18 meses recebendo apenas prednisona e claro uns bons quilos a mais. Por conta do novo episódio de hepatite medicamentosa que fiz em Junho/2012, meu figado, impediu que iniciasse a quimioprofilaxia para TB antes, e somente em Agosto/2013 é que tive finalmente a autorização para iniciar a tão temida quimioprofilaxia para Tuberculose, iniciei em 15 de Agosto/2013 com 300 mg de Isoniazida em Jejum. Acabei descobrindo a razão da tuberculose ser uma doença com altos índices de abandono do tratamento, é desconfortável tomar esses comprimidos, muitos efeitos colaterais e alterações gastrointestinais constantes.

Nas primeiras doses, tive tontura, sensação de pressão caindo (parecia que ia desmaiar), mãos trêmulas e desconforto gástrico intenso (dor de estômago, náuseas), com o passar das semanas isso foi diminuindo, hoje restou o desconforto gástrico, para isso estou tomando protetor gástrico duas vezes ao dia e medicamentos para náuseas. Na verdade, mais uma vez eu tenho a convicção de que o medo que formamos do medicamento, pode contribuir para o maior números de efeitos colaterais. A Isoniazida é um medicamento hepatotóxico (agride o fígado), e meu fígado ficou sensível pelas recorrentes hepatites medicamentosas, o medo que eu tinha de tomar a Isoniazida e ter nova hepatite era muito grande.

Os médicos tiveram bastante cautela na introdução da Isoniazida, as primeiras semanas, colhi exames 2 vezes por semana, e uma vez por semana fui ao consultório do infectologista, agora, o monitoramento está mais tranquilo, porque é realmente estressante, ir ao hospital 3 dias na semana, essa rotina estava cansativa.

Durante esses 4 meses de isoniazida minhas enzimas hepáticas estão controladas, não tive nenhuma alteração hepática. Agora resta apenas 2 meses e nunca mais espero ter que tomar esses 3 comprimidos horríveis.

A experiência de ser paciente da infectologia, foi impactante, o ambulatório do infectologista na sala de espera as pessoas não se comunicam, não conversam entre si, rege um silêncio que nos faz sentir o peso que o diagnóstico tem na vida dessas pessoas, todas as consultas nesse ambulatório me fizeram sair com uma coisa pesada, uma espécie de tristeza contagiante.

Sobre a Isoniazida:

É um medicamento quimioterapêutico para tratamento da Tuberculose, usado em doses menores como profilaxia e em conjunto com outros medicamentos quando a tuberculose está ativa. É fornecido exclusivamente pelo Ministério da Saúde, não é possível comprar nas farmácias, para te acesso a Isoniazida é preciso ter prescrição médica através de receituário comum, e essa mesma receita será usada para pegar o medicamento durante os meses que for usado. Toda cidade tem um posto de saúde central que distribui a isoniazida, geralmente é no postinho onde tem o atendimento com o médico infectologista.

Explicando um pouquinho sobre o PPD e a Tuberculose Latente.

A tuberculosa latente é aquela que não se fez doença, em algum momento da vida tivemos contato com o Bacilo da Tuberculose, mas não desenvolvemos a doença. O uso de medicamentos imunossupressores e principalmente os medicamentos biológicos podem baixar a imunidade de forma que o Bacilo da TB que está ali dormindo, acorde e desenvolva a tuberculose ativa/doença.

ppd[9]No Brasil, a Sociedade Brasileira de Reumatologia preconiza a realização de pesquisa do Bacilo da TB antes de iniciar o medicamento biológico, por isso o Ministério da Saúde exige, a realização do exame chamado PPD, que é realizado nos Posto de Saúdes centrais de cada cidade, onde geralmente tem o serviço de infectologia, o PPD consiste em uma injeção de pequeno número de bacilos no antebraço, se tivermos já tivermos o Bacilo, o local onde foi aplicado a injeção fica redondo e vermelho.

O local da aplicação da injeção tuberculínica (PPD) costuma coçar bastante, mas não pode ser coçado, é preciso paciência. Aplicamos a injeção no postinho e dois dias depois é preciso voltar para a enfermeira fazer a leitura.

A manifestação da tuberculosa em pessoas com artrite reumatoide e em uso de medicamentos biológicos, costumam ser severas, por isso o cuidado do rastreio de TB antes de iniciar o medicamento biológico.

Após iniciar a quimioprafilaxia, o paciente com Artrite Reumatoide pode começar a usar medicamento biológico. No meu caso, devido a recorrentes hepatites medicamentosa e a fragilidade do meu fígado, meu atual reumatologista decidiu iniciar após alguns meses, portanto, somente agora em Dezembro, 04 meses depois de iniciar a Isoniazida é que está sendo cogitado voltar a usar medicamento biológico.

Importante, não abandonar o tratamento com isoniazida, eu que estou tomando posso afirmar que é realmente ruim tomar esses comprimidos e sentir o efeito colateral o dia todo, mas é realmente pior, desenvolver a tuberculose.

Não pensem que aceitei a isoniazida de coração aberto, quando o infectologista me disse que eu teria que fazer 6 meses de isoniazida, eu disse, não doutor tah doido, e ele disse, com esse fígado, se você desenvolver a tuberculose ativa, você vai morrer, porque seu fígado não aguenta o tratamento convencional da tuberculose, por isso é melhor fazer os seis meses e se prevenir de desenvolver a doença. Então, tah, né, morrer de tuberculose certamente é pior do que esses 3 comprimidos.

Se você estiver recebendo tratamento para tuberculose latente ou ativa, o posto de saúde que fornece os comprimidos, geralmente tem programas de fornecimento de cesta básica. Eu não fiz uso deste serviço social, mas ouvi um comentário um tanto que cômico na fila para pegar a Isoniazida “tomar este remédio é bom, eles dão até uma cesta básica, olha que maravilha”

Faltando 2 meses para ter meu estômago de volta !!!

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

9 Comentários

  1. fiz tratamento em 2012,tive que alterar medicação porque os valores do figado aumentaram 3 vezes que o normal.quando terminei medicação a legislação em Portugal alterou.Os médicos tenhem que fundamentar à Direcção do hospital o porquê de alterar para medicação biológica.

  2. PRISCILA,
    EU TBM FIZ ESTE TRATAMENTO DE 6 MESES, POIS QUANDO FUI COMEÇAR O BIOLÓGICO DESCOBRI UM NÓDULO NO PULMÃO, AI FORAM ESTES BENDITOS EM JEJUM, MAS GRAÇAS A DEUS DEU CERTO ATÉ AQUI NEH

  3. eu passei por isso em 2007… mas usei concomitante com enbrel para não reativar um bacilo inerte no meu pulmão direito. para mim a experiência do SUS para retirada do medicamento mensalmente no posto de saúde da minha cidade – Porto Alegre – foi uma experiência BIZARRA emocionlamente, momento em que eu me encontrava fragilziadíssima com a doença, com a idéia do biológico, das ijeções e ainda com possibilidade de fazer uma tuberculose, pois já havia iniciado o Enbrel qdo viram o bacilo no meu pulmão… tive de suportar um médico do SUS estúpido, nojento, grosso, que me tratou como lixo por eu ter receita e indicação da quimioprofilaxia para TB de médico particular e me fazia esperar horas numa sala junto com as pessoas escarrando tuberculose e de propósito… foi bizarro… fiz o tratamento de seis meses e jurei que nunca mais votlaria a pisar lá… pobres pessoas que dependem de criaturas esdrúxulas como aquele homem que precisei suportar por 6 meses no posto… que país infernal este!!!

  4. vs é guerreira, como todos os que tem a coragem de enfrentar um biológico… pra frente sempre e com fé… um dia, eu acredito, todos podemos nos curar a nós mesmos… temos que descobrir o caminho dentro da gente… eu continuo procurando este caminho, nunca cesso… agora vou para o nono ano usando o enbrel… estou co vida normal desde o primejro mês que tomei as injeções… mas adoeço de infecções e fungos… por isso quero poder parar a medicação e nunca mais ter dores/inflamações… ainda chego lá…

  5. sim, prima, eu escrevi isto num blog para pessoas com artrite e não sabia que viria para minha página este relato agora tão antigo… lembro que na época escrevi um artigo na revista Arthros sobre esse tipo de situação… muitas pessoas ainda passam por isso diariamente…algo muito triste… sim venci muitas etapas, muitas e sou grata diariamente.. o caminho é longo, mas sou Taurina, nunca desisto… hahahah… mil bjus prima, que bom que estás em casa com segurança e saúde e com teu amor…

Olá, deixe um comentário!