Entrega gratuita de remédios de alto custo está atrasada no Alto Tietê

Paciente de Mogi espera há uma semana por remédio de R$ 5,8 mil. Secretaria de Saúde do Estado diz que já iniciou distribuição.

A moradora de Mogi das Cruzes Miriam Regina do Prado Bezerra reclama da falta de medicamentos de alto custo no Departamento Regional de Saúde em Mogi das Cruzes. A paciente foi até o local no último dia 19 de fevereiro para retirar dez frascos de Tocilizumabe, remédio para tratar artrite reumatóide. No local, ela foi informada de que o remédio está em falta e foi orientada a ligar na unidade para saber se a medicação seria enviada à cidade.

A atendente informou por telefone que o remédio não tem data definida para entrega. “Minha mãe usa dez frascos deste remédio, e não pode ficar sem porque sente muita dor. Cada frasco custa R$ 5.800,00, não temos como comprá-lo. Precisamos de uma previsão, pelo menos, pra que ela retome o tratamento que começou há sete meses”, disse a filha da paciente, Bruna Prado. A família chegou a entrar em contato com a fabricante do remédio, que informou que a produção ocorre normalmente.

A aposentada Maria Isabel Coutinho só recebeu um dos dois remédios de alto custo de que precisa (Foto: Maiara Barbosa/G1)A aposentada Maria Isabel Coutinho só recebeu um dos dois remédios de alto custo de que precisa

A aposentada Maria Isabel Coutinho, de 74 anos toma remédio de alto custo há dois anos. São dois medicamentos que, nos últimos meses, não têm sido entregues na data prevista. “No mês passado não tinha e neste mês ficou faltando um. Me disseram para voltar no dia 31 de março para ver se os medicamentos chegaram. É uma situação complicada”, reclamou.

Em nota a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, responsável pelo Departamento Regional de Saúde (DRS) da Grande São Paulo, informou que o medicamento em questão tem sua compra realizada diretamente pelo Ministério da Saúde, que atrasou a entrega do quantitativo necessário ao atendimento dos pacientes paulistas desde 20 de dezembro, provocando assim o desabastecimento. O órgão federal regularizou a oferta há poucos dias e agora está em andamento a distribuição do produto farmacológico às unidades em todo o Estado.

Já o Ministério da Saúde informou que no dia 10 de fevereiro, entregou 17.166 frascos do medicamento Tocilizumabe para a secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, quantidade suficiente para atendimento até o final de março. “A compra do medicamento é centralizada pela União e a distribuição do medicamento aos municípios é de responsabilidade do governo estadual. Em relação ao medicamento Octreotida, importante destacar que sua compra é de responsabilidade estadual e o repasse federal para sua aquisição está normalizado. Não houve relato da SESSP sobre a falta de nenhum dos dois medicamentos.”

Fonte: G1

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!