Doença de Crohn: diretrizes indicam a terapia pós-cirúrgica mais adequada

American Gastroenterological Association publicou novas diretrizes para o tratamento da doença de Crohn, abordando especificamente a terapia pós-cirúrgica. Separamos aqui os principais pontos para você ficar por dentro das novas recomendações.

O novo guideline foi baseado nos dados de uma revisão sistemática do tratamento da doença de Crohn após remissão induzida cirurgicamente. A população-alvo são os pacientes com anastomose ileocólica sem sintomas ou evidência macroscópica da doença após ressecção cirúrgica.

  • Utilize a profilaxia farmacológica precoce pós-operatória (2-8 semanas após a ressecção cirúrgica) ao invés do tratamento farmacológico guiado por endoscopia após a cirurgia, exceto em pacientes com baixo risco de recorrência e desejo de evitar efeitos adversos da terapia.
  • Opte pelaa terapia de fator de necrose tumoral (TNF), tiopurinas ou ambos sobre outros agentes como profilaxia farmacológica. Alguns pacientes de baixo risco podem optar por antibióticos nitroimidazol por 3 a 12 meses.
  • Não utilize mesalamina (ou outros 5-aminossalicilatos), budesonida ou probióticos após a remissão cirúrgica.
  • Realize monitoramento endoscópico pós-operatório de 6 a 12 meses após a ressecção cirúrgica, independe dos pacientes receberem ou não profilaxia farmacológica.
  • Inicie ou intensifique a terapia com anti-TNFs, tiopurinas ou ambos ao invés de continuar apenas monitorando pacientes com recorrência endoscópica assintomática.

Referências:

  • Nguyen GC et al. American Gastroenterological Institute guideline on the management of Crohn’s disease after surgical resection. Gastroenterology 2016 Nov 10; [e-pub]. (http://dx.doi.org/10.1053/j.gastro.2016.10.038)
  • http://www.jwatch.org/na42934/2016/12/01/treatment-postsurgery-crohn-disease
Anúncios

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de Artrite Reumatoide aos 26 anos, enquanto atuava como enfermeira, estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros. De repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Se você gostou dessa publicação, nos incentive a continuar, deixe seu comentário!