Doença autoimune associada a transtorno de déficit de atenção e hiperatividade

Em outros estudos, o diabetes tipo 1 foi associado a disfunções cognitivas e motoras relacionadas a alteração do desenvolvimento cerebral, bem como autismo, esquizofrenia e depressão. Os autores especulam que a associação com TDAH e história materna e paterna aponta para um fator genético comum.

Em particular, estudos anteriores mostraram associações entre o TDAH e os principais genes do complexo de histocompatibilidade (MHC), que também foram associados a doenças autoimunes.

“Alguns genes do MHC, especificamente HLA-DR4, HLA-DRB1 e o gene de complemento C4B, são fatores de risco importantes para várias doenças autoimunes, incluindo artrite juvenil, hepatite autoimune e diabetes tipo 1, e esses genes também podem estar ligados ao TDAH”, escrevem os autores.

Doença materna, em geral, pode apresentar uma ampla variedade de possíveis riscos para o TDAH, acrescentam eles.

“A doença materna pode afetar o desenvolvimento fetal por meio de fatores genéticos comuns, de fatores ambientais ou diretamente, por uma resposta imune fetal alterada que leva ao TDAH na prole”, acrescentam os pesquisadores.

No entanto, eles observam que uma variedade de fatores além da predisposição genética também está associada ao desenvolvimento de doenças autoimunes, incluindo fatores ambientais como o tabagismo, uso de drogas e infecções. Do mesmo modo, o TDAH tem uma multiplicidade de potenciais causas associadas.

“A etiologia do TDAH é multifatorial, e as associações encontradas trabalham em uma interação complexa com fatores genéticos e ambientais”, disse o Dr. Benros.

As limitações do estudo incluem o fato de que análises exploratórias de doenças autoimunes individuais não foram corrigidas para testes múltiplos, deixando a possibilidade de que algumas associações fossem estatisticamente significativas apenas por acaso, observam os autores.

Eles acrescentam que com os membros mais velhos da coorte tendo apenas 30 anos de idade, há o risco de que alguns deles desenvolvam doença autoimune após o final do período de estudo e, portanto, a associação com TDAH poderia ser subestimada.

“Os médicos que tratam indivíduos com doenças autoimunes precisam estar cientes do aumento do risco de TDAH e de outros transtornos mentais, e incluir essas potenciais comorbidades no tratamento”, disse o Dr. Benros.

Ele acrescentou que sua equipe está conduzindo pesquisas sobre as complexas relações entre TDAH e doença autoimune.

“Estamos prosseguindo com outros estudos na investigação das associações entre outros transtornos relacionados ao sistema imunológico, como infecções, com o risco de desenvolver TDAH, para explorar ainda mais a hipótese imune proposta como potencial fator etiológico contribuindo para subgrupos com TDAH”.

Insights importantes

Em um editorial de acompanhamento, o Dr. Kyle Williams, diretor do Programa de Neuropsiquiatria e Imunologia Pediátrica, Massachusetts General Hospital e Harvard Medical School, Boston, disse que o estudo fornece insights importantes sobre o papel das doenças autoimunes no TDAH.

“Este estudo, o maior do seu tipo até o momento, fornece uma orientação importante para futuras pesquisas”, escreve o Dr. Williams.

“Ao identificar doenças autoimunes específicas associadas ao TDAH nas crianças e nas mães delas, futuros estudos longitudinais estarão bem posicionados para avaliar os potenciais fatores ambientais e genéticos subjacentes a esta associação”.

O Dr. Williams acrescentou que as pesquisas sobre doenças autoimunes oferecem peças importantes do quebra-cabeça da doença mental em crianças.

“Precisamos reconhecer que a heterogeneidade clínica observada em alguns transtornos psiquiátricos na infância pode ser, em parte, o resultado de subtipos com etiologias predominantemente imunomediadas”, disse ele.

“Para esse fim, o estudo atual fornece mais evidências de que vale a pena prosseguir nesse caminho”.

A Dra. Mani Pavuluri, distinguish fellow da American Academy of Child and Adolescent Psychiatry e professora da cátedra Berger-Colbeth em Psiquiatria Infantil da University of Illinois, em Chicago, comentou ainda que a associação do diabetes tipo 1 com TDAH pode ser significativa, independentemente de um histórico parental da doença.

“O diabetes isoladamente na juventude, sem história dos pais, pode levar a sintomas semelhantes ao TDAH, com flutuação dos níveis de glicemia e vulnerabilidade do sistema nervoso central ao longo dos anos de desenvolvimento, além de fatores genéticos e epigenéticos”, disse ela ao Medscape.

Além disso, o TDAH e as doenças autoimunes compartilham efeitos comuns sobre as citocinas, acrescentou a Dra. Mani.

“Alterações epigenéticas comuns a muitas doenças autoimunes e/ou TDAH podem resultar de trauma e estresse, com alterações inflamatórias subjacentes nas citocinas”.

A Dra. Mani ecoou a opinião de que é necessário entender mais para colocar os resultados no contexto adequado.

“Como o campo está começando a focar na prevalência de doenças autoimunes e correlações com TDAH, os resultados abrem um caminho de curiosidade para aprender mais”, disse ela.

“Até que obtenhamos um modelo mais avançado de neurobiologia subjacente com os mecanismos celulares envolvendo biomarcadores inflamatórios ainda não conhecidos, esses achados não podem ser colocados em perspectiva. Assim, embora os resultados não sejam uma surpresa, o estudo oferece fortes pistas para pesquisas futuras”.

O estudo recebeu financiamento da Lundbeck Foundation. Os autores do estudo declararam não possuir conflitos de interesses relevantes. O Dr. Williams recebeu apoio de pesquisa da PANDAS Network. A Dra. Mani é cofundadora da Medcircle, Inc.

J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2017;56:234-240, 185-186. Resumo, Editorial

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!