Contar ou não contar, na admissão de emprego que tenho Artrite Reumatoide?

Buscar um novo emprego para quem convive com artrite reumatoide, nem sempre é uma tarefa simples, as pessoas que não tem AR, se preocupam apenas com as questões triviais do trabalho, mas quem tem AR, conta com a dúvida “contar ou não contar que tem AR?”.
Nas relações de trabalho, a artrite reumatoide em hipótese alguma pode ser impeditivo, para um novo emprego. A doença não é restritiva ao trabalho, no entanto, quando estamos participando de um processo seletivo, principalmente no momento de passar nos exames médicos admissionais, sempre vem a pergunta, sobre as doenças pre-existentes, esse fator é bastante importante para as questões de insalubridade (riscos ergonômicos e riscos biológicos).
O médico do trabalho ao fazer o ASLO (exame médico admissional ou demissional), deve levar em consideração os riscos da doença com a profissão pretendida, mas, nunca declarar o candidato inapto, por saber que o candidato tem artrite reumatoide.
O candidato ao emprego que sentir-se prejudicado, por ter declarado a doença AR, tem todo o direito de buscar seus direitos legais, isso configura preconceito e discriminação.

E se eu não contar? Não contar que tem AR, pode parecer a melhor idéia, no entanto, existem algumas formas de contrato de trabalho, como por exemplo, contratos de servidores públicos, que se o candidato não declarar as doenças que tem, durante o processo admissional, ao descobrir a doença, a empresa está resguardada pelas clausulas do contrato e dessa forma, pode demitir (exonerar) o servidor público (empregado) no momento em que este necessitar de licença para tratamento de saúde, alegando “doença pré-existente”, e isso, por constar no contrato de trabalho e é uma situação dificil de ser revertida.

Imagine se você precisar levar um atestado médico?
o seu médico terá que colocar no relatório, o CID da doença e é nestas situações, que as empresas descobrem que o candidato omitiu a doença. Por possibilidades de situações como essas, é aconselhável, “buscar o seu lugar no mundo”, da forma como você é, na situação em que se encontra, a doença não compromete a capacidade cognitiva e intelectual, logo, as habilidades profissionais, desde que não sejam insalubre (se relacionadas à doença), não impede ao trabalho, mas, precisamos agir com sinceridade e fazer com que o mundo nos aceite e vejam que a pessoa com artrite reumatoide tem plena capacidade laborativa e não deve ser boicotada do mercado de trabalho. Vamos ao trabalho, apesar da Artrite Reumatoide.

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!