Cientistas estudam pílula que substitui exercício físico

gordinhoA criação de uma pílula contra a obesidade, capaz de imitar o efeito emagrecedor de exercícios aeróbicos, como a corrida, pode estar mais próxima. Em um estudo publicado nesta segunda-feira, pesquisadores da Universidade Harvard revelam ter identificado duas moléculas que, uma vez dentro das células, reduzem o excesso de gordura acumulada e aumentam o gasto calórico.

A pílula, no entanto, não substitui os outros benefícios das atividades físicas, como aumento da massa muscular ou melhora da saúde cardiovascular. Além disso, trata-se de uma pesquisa em fase inicial, realizada em laboratório. Portanto, uma abordagem desse tipo ainda não está disponível.

No estudo, cientistas do Instituto de Células-Tronco de Harvard analisaram células-tronco humanas e, a partir de um banco de dados de 1 000 compostos, identificaram dois que podem desencadear o processo que transforma gordura branca, ou “ruim”, em gordura marrom, ou “boa”.

Gordura corporal — O tecido adiposo de uma pessoa é constituído por dois tipos de gordura: a branca e a marrom. A energia excedente do corpo é estocada como lipídio nas células de gordura branca. Quando um indivíduo não gasta tantas calorias quanto consome, o organismo produz mais células de gordura “ruim” para estocar essa energia excedente.

Já a gordura marrom libera a energia excedente para, por exemplo, manter a temperatura do corpo. Ela também é capaz de reduzir o tamanho das células de gordura branca. Por isso, é considerada como “boa” e uma possível aliada contra a obesidade e doenças relacionadas.

Mecanismo — Em testes feitos no laboratório, os pesquisadores observaram que os dois compostos identificados são capazes de transformar células-tronco de gordura, fazendo com que elas deixem de produzir células de gordura branca e passem a gerar gordura marrom. É o processo desencadeado por atividades físicas aeróbicas, como caminhada, corrida e natação.

A nova pesquisa, publicada na revista Nature Cell Biology, ainda deverá passar por outras etapas para que a descoberta resulte em uma pílula milagrosa. Um dos motivos é o fato de ambos os compostos poderem, a longo prazo, levar a reações inflamatórias do organismo e comprometer o sistema imunológico. Por isso, as substâncias precisam sofrer modificações nos estudos futuros.No entanto, um desses compostos já é aprovado nos Estados Unidos para o tratamento de artrite reumatoide, doença autoimune que provoca inflamação nas articulações.

“A boa, ou má, notícia é que a ciência é lenta: ter provas em relação a um conceito leva uma enorme quantidade de tempo. Nós pensamos que trabalhar com células-tronco levaria à descoberta de novos medicamentos e terapias, e agora isso está realmente começando a acontecer. Uma década de trabalho científico árduo está valendo a pena”, diz Chad Cowan, professor da Universidade Harvard e coordenador do estudo.

Fonte: Revista Veja

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!