Atividades diárias que aumentam a chance de você ter uma doença

Corrimões, telefone celular e até mesmo o happy hour não escapam da transmissão de vírus e bactérias

Tudo o que existe está absolutamente recoberto de bactérias – inclusive você, por dentro e por fora. No entanto, nem todas as bactérias causam doenças, sendo algumas inclusive benéficas e essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo.

Mas quando pensamos nos micro-organismo patogênicos – que tem potencial de transmitir doenças – a boa higiene é fundamental para mantê-los longe.
O clínico geral Eduardo Finger, coordenador do departamento de pesquisa e desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos, explica que nem sempre a pessoa sucumbirá ao patógeno, ainda que seja exposta à doença.
“E também não é todo o vírus que pode ser transmitido durante o dia a dia, pois nem todos sobrevivem muito tempo fora do corpo humano”, lembra o especialista.
No geral, a gripe e os resfriados são mais facilmente transmitidos de uma pessoa para outra, principalmente no inverno, e existem algumas atividades muito comuns em nossa rotina nas quais estamos expostos a isso e nem percebemos.
Telefones públicos e telas sensíveis ao toque
Pode ser difícil encontrar um telefone público nestes dias, mas teclados comuns e telas sensíveis ao toque estão em toda parte.
“O real potencial de transmissão de doenças infecciosas por objetos como os telefones celulares não é conhecido, mas é possível que esse fenômeno indesejável ocorra”, explica o imunopatologista Marcelo Vivolo Aun, da Sociedade Brasileira de Imunologia.
Já os telefones públicos não costumam ter uma manutenção e limpeza com periodicidade adequada, e pode acontecer de uma pessoa gripada usá-lo e você, ao usar em seguida, correr o risco de contrair a doença.
“Se você quiser diminuir essa possível transmissão, o melhor é ter o mínimo de contato com o bocal, ou seja, falar mais afastado.”
No caso do telefone celular, evite compartilhá-lo com pessoas que estejam doentes e mantenha a higiene do aparelho.
 
Corrimões e maçanetas
A nossa pele tem bactérias que “moram” nela, ou seja, nos colonizam, e não causam doenças.
“Desse modo, todo objeto que é tocado por mais de uma pessoa – como corrimões, torneiras e maçanetas – pode transmitir bactérias e outros micróbios”, diz o infectologista Marcelo. Assim, pessoas eventualmente doentes, com viroses intestinais ou gripe, por exemplo, podem passar esses agentes pelo contato.
“A melhor prevenção é a lavagem de mãos.”
Notas e moedas
“Pior do que as bactérias que todos falam são outras substâncias que possam estar nas notas, transmissoras de doenças”, explica o clínico geral Eduardo Finger, coordenador do departamento de pesquisa e desenvolvimento do SalomãoZoppi Diagnósticos.
Até porque, você não sabe por onde as mãos da pessoa que estava com a nota antes de você passaram – inclusive, o infectologista Marcelo afirma que nem mesmo as notas do caixa eletrônico se salvam.
“Por isso, o recomendado é lavar as mãos com sabão comum após pegar em notas em moedas, evitando assim um possível contágio”, explica Eduardo, que dispensa a necessidades de sabonetes antibacterianos.
 
Ônibus, trem e metrô
Ao falar em transporte público, logo pensamos nas barras de segurança que muitas vezes usamos para nos apoiar enquanto estamos de pé – e elas, assim como os corrimões, também têm potencial para abrigar vírus transmissores de doenças.
No entanto, você não precisa da barra para estar exposto a bactérias, vírus e patógenos, já que estes circulam pelo ar, explica o clínico geral Eduardo.
E ambientes como esses, que favorecem a aglomeração, intensificam as chances de uma transmissão por via respiratória, por meio de gotículas de secreções da boca e nariz.
“Essa situação é maior quanto mais pessoas estiverem no local e quanto menor for esse espaço”, completa o imunologista Marcelo.
Academias
Ainda que a limpeza dos aparelhos e banheiro de academias seja mais frequente que a de um ônibus, por exemplo, o ambiente fechado do estabelecimento também facilita a transmissão de doenças.
E para as pessoas que sentem protegidas após limpar o aparelho com os paninhos de higienização disponíveis nas academias, saiba que eles não te deixam completamente protegido de doenças.
“Utilizamos os panos, pois as pessoas tem nojo do contato com o suor de outra pessoa, mas no nível microbiológico, não faz a mínima diferença”, explica Eduardo Finger.
De acordo com o especialista, essa limpeza pode diminuir a exposição da pessoa aos patógenos caso o usuário anterior do aparelho estiver com alguma doença contagiosa, mas jamais protegerá 100%.
“Lembrando que ser exposto a um patógeno não quer dizer necessariamente que você irá contrair a doença, cabendo entender qual é o limite da higiene saudável, sem exageros”, ressalta o especialista.
Além disso, nos dias mais frios, a mudança brusca de temperatura que acontece dentro e fora da academia pode causar uma irritação no sistema respiratório, aumentando a chance de ocorrências como asma e rinite.
 
Convivência com amigos e família
“A chance de contrair uma doença de outra pessoa é influenciada pela exposição, e geralmente estamos mais em contato com os amigos e família”, declara o clínico geral Eduardo.
Quem nunca viu aquela família que um começa a pegar gripe ou virose intestinal do outro, não é verdade?
“O melhor modo de evitar essas ocorrências é não dividir objetos de uso pessoal (talheres, toalhas, travesseiros) e lavar as mãos com mais frequência durante os períodos em que alguém está doente.”
Balada e happy hour
Todo lugar que concentra mais gente, aumenta a possibilidade de exposição a patógenos.
“Se o lugar for fechado e o ar recircular várias vezes por várias pessoas, as concentrações de patógenos aéreos aumentam e mais uma vez, sua chance de se expor aumenta”, alerta Eduardo Finger.
O especialista explica que em alguns casos, você precisa de uma carga mínima de um patógeno para se infectar – e a chance de bares e baladas fechadas atingirem essa concentração crítica, que varia de pessoa para pessoa, aumenta.
“Além disso, álcool e sono irregular podem baixar sua imunidade e aumentar o risco de você contrair uma doença”, ressalta o infectologista Marcelo. Há também a mudança de temperatura dentro e fora desses locais nos dias frios, que podem intensificar os problemas respiratórios.
 
Comer junk food
Consumir uma dieta pobre em vitaminas e minerais e rica em gorduras, açúcar, sódio e conservantes enfraquece o sistema imunológico e sua capacidade de combater resfriados e outras doenças infecciosas.
Por isso uma alimentação baseada em fast food e congelados prontos para consumo, além de pobre em frutas, legumes e verduras, pode prejudicar a sua imunidade e deixar seu organismo mais sensível a infecções.
Embora esses hábitos sejam essenciais em todas as estações do ano e os benefícios sejam percebidos em longo prazo, nunca é tarde para mudar a alimentação e deixar seu corpo mais protegido.
Fonte: Gestão de Logística Hospitalar

Social Media
Social media manager, digital influencer, blogueira, youtuber e redatora, ativista em saúde motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide há 7 anos, patient advocacy, mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Social media manager, digital influencer, blogueira, youtuber e redatora, ativista em saúde motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide há 7 anos, patient advocacy, mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!