Alterações do sono, depressão, obesidade e sedentarismo podem explicar parcela significativa da fadiga na artrite reumatoide

A fadiga é uma constante na vida das pessoas que convivem com artrite reumatoide, fatores como depressão, obesidade e sedentários contribuem para a potencialização da fadiga, confirma pesquisa.

fadigaEm artigo divulgado pelo periódico Arthritis Care and Research, realizado por Patricia Katz e colaboradores da Universidade da Califórnia, observou-se que a fadiga é uma grande preocupação para os indivíduos com artrite reumatoide (AR) e que fatores como distúrbios do sono, depressão, obesidade e sedentarismo podem contribuir muito para o aparecimento deste sintoma.

A coorte estudada incluiu 158 pacientes que tiveram seus dados coletados durante uma única visita domiciliar. Todos os participantes tinham o diagnóstico médico de artrite reumatoide (AR). As avaliações foram feitas de acordo com o autorrelato de sono, depressão, atividade física, atividade da AR (dor), força muscular, limitações funcionais e composição corporal. Foram coletadas informações sobre demografia, medicamentos e tabagismo. O índice conhecido como The Fatigue Severity Index (FSI; média de fadiga nos últimos sete dias) foi usado como resultado primário.

A idade média foi de 59 anos e a média de duração da doença foi de 21 (±13) anos, sendo 85% dos participantes do sexo feminino. A média de classificação do FSI foi de 3,8.

Cerca de metade dos pacientes relataram qualidade do sono moderada, aproximadamente um quarto relatou sono de má qualidade. Além disso, pouco mais de 40% tinham pelo menos níveis moderados de sintomas depressivos, enquanto mais de 50% eram obesos usando o índice de massa corporal (IMC) para avaliação. Mais da metade era fisicamente inativa.

Na análise multivariada, a atividade da doença, a falta de sono, a depressão e a obesidade autorreferidas foram independentemente associadas à fadiga. As análises de mediação indicaram que a atividade física teve uma associação indireta com a fadiga, mediada pela falta de sono, depressão e obesidade.

Este estudo transversal sugere que a fadiga pode não ser apenas um resultado da artrite reumatoide em atividade, mas pode resultar de uma constelação de fatores, incluindo a atividade da doença ou dor e também da inatividade física, da depressão, da obesidade e da falta de sono. Os resultados sugerem novos caminhos para intervenções para melhorar a fadiga em indivíduos com AR, como o aumento da atividade física, o tratamento da depressão ou da obesidade.

Fonte: Arthritis Care and Research, volume 67, número 3, de março de 2015

segunda-feira, 06 de abril de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Alterações do sono, depressão, obesidade e sedentarismo podem explicar parcela significativa da fadiga na artrite reumatoide. Disponível em: <http://www.news.med.br/p/medical-journal/751307/alteracoes-do-sono-depressao-obesidade-e-sedentarismo-podem-explicar-parcela-significativa-da-fadiga-na-artrite-reumatoide.htm>. Acesso em: 14 jul. 2015.

Jornalista
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
×
Jornalista Grupar EncontrAR
Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.
Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!