A chegada da Artrite Reumatoide

Quando a AR chega é difícil entender os seus sintomas, é muita dor para uma pessoa só, é muita fadiga, a rigidez matinal é assustadora, pois queremos abrir as mãos, pegar as coisas, mas nossas mãos parecem presas, amarradas, impossibilitadas de fazer com liberdade, movimentos que até dias atrás eram simples e nem notávamos o quanto eram importantes.

Os primeiros sintomas, as dores, rigidez matinal e fadiga, são os sintoma mais prevalentes, mas o que é realmente difícil no começo de tudo, é lidar com o nossos sentimentos. Sentimentos de revolta, culpa, impotência e desespero, são sentimentos impactantes, que nos levam a perder noites de sono e nos fazem acreditar que a vida não será mais bela de ser vivida.

A chegada da Artrite Reumatoide foi para mim, como uma “ameaça de destino”,  como se toda minha vida parasse naquele momento e aos 25 anos eu pensei, minha vida acabou.

Mas não é o fim, a artrite reumatoide, não pode representar para nós que convivemos com ela, o ponto final, a artrite reumatoide deve ser para nós como uma vírgula, um novo começo, o início de uma vida cheia de vírgulas, mas nunca o ponto final. Acredite, existe vida após a Artrite Reumatoide!

Texto publicado na minha Coluna no Site Viva Bem com Artrite Reumatoide, em 08/04/2013

 Colunista no Site “Viva Bem com Artrite Reumatoide”

Jornalista

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

×
Jornalista Grupar EncontrAR

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Anúncios

Comentário

comentários

3 Comentários

  1. Olá Pryscila, meu nome é Luciana, tenho 27 anos e há mais ou menos um mês comecei a ter sintomas de artrite reumatóide. Ainda não tenho um diagnóstico fechado, mas pelos sintomas tudo indica que tenho mesmo artrite. Me consultei com uma reumatologista que disse que com a medicação poderei ter uma vida normal. Mesmo assim estou muito preocupada, pois pesquisando na internet não encontrei nenhum depoimento de ninguém que diga que mesmo com a doença vive bem, ou que não tenha dores terríveis. Por esse motivo estou bem apavorada. Minha reumatologista disse que como estou no início da doença, minhas chances são boas, mas estou desesperada. Já me vejo na cadeira de rodas e com deformações, também estou com muito medo do tratamento, vi que a medicação é bem agressiva. Será que há esperança para mim? 🙁

    • Olá, Luciana!!! Calma!!! Calma!! e Calma!!
      A Artrite Reumatoide representa na vida da gente, várias vírgulas, e nunca um ponto final!!!
      Não é terrivelmente destruidora!! Não é o fim da Vida!! Não é dor terrível pra sempre!!
      Sua médica esta assertiva em afirmar que você está no começo da doença e tem um bom prognóstico!! Isso quer dizer que você receberá um diagnóstico precoce e um tratamento medicamentoso e multidisciplinar também precoce, isso diminui as chances de ter perdas articulares precoces e consequentemente melhor qualidade de vida.
      A esperança pra vocês está dentro de você!!!
      Na sua força para viver, na sua vontade de vencer a doença, na sua força para lutar por você!!
      Vou te dar um conselho que recebi de um médico muito amigo, lá em 2006 quando estava assim como você ” me imaginando em uma cadeira de rodas”..
      Invista em Você, pratique Atividade Física adaptada a sua nova condição (sem sobrecarga articular), isso fará os seus músculos mais fortes e te dará mais qualidade de vida!! Esse é o grande segredo de viver bem com AR.
      Quando se tem Dor, temos uma grande tendência em escolher deixar de fazer várias coisas, e a atividade física é uma delas, pq achamos que temos dor e por isso não devemos nos exercitar, isso é uma grande cilada, a pratica de atividade física na AR é uma grande dica de qualidade de vida e hoje eu posso certificar isso, quando estou fora da academia me sinto muito mais fraca e meu organismo sente falta disso!!!
      Fique calma, siga as orientações da sua médica, conte pra ela sobre todos os seus medos e angústias e não esconda nenhuma dúvida dela, conte tudo, mesmo que te pareça coisas bobas, o bom relacionamento médico paciente é o segundo maior segredo de sucesso na AR.
      Boa Sorte!!
      Abraços e forças sempre!!! Precisando estamos aqui!!

Olá, deixe um comentário!