Direitos da Pessoa com Doença Reumática

237

A Artrite Reumatoide, Artrite Idiopática Juvenil, Artrite Psoriásica, Espondilite Anquilosante, Lúpus e outras doenças reumáticas, são doenças crônicas, que modificam toda a vida das pessoas acometidas.
Com essas mudanças, logo vem os $ “custos socioeconômicos da doença reumática”, afinal, ter uma doença crônica no Brasil significa ter um alto custo de vida, infelizmente as políticas públicas de atenção a pessoa com doença crônica não são capazes de suprir todas as nossas necessidades. Por razões como essa, eu acho extremamente justo que a pessoa com Artrite Reumatóide e a pessoa com qualquer outra doença reumática, buscar a efetivação de seus direitos.
É importante, ressaltar que para alguns direitos, o fato de ter a doença, não é determinante para direito adquirido, ou seja, ter artrite reumatoide, não é determinante para aposentadoria por invalidez, pois não é a doença que determina o direito e sim as condições clínicas e as limitações impostas pela doença que darão o direito efetivo à alguns direitos.

Vou citar os principais direitos que podemos pleitear:

  • Isenção Tarifária, para transporte público municipal e intermunicipal;
  • Passe Livre (para viagens interestaduais);
  • Compra de Veículo Zero KM com isenção de Impostos Estaduais e Federais;
  • Auxílio-Doença ou Licença para Tratamento de Saúde;
  • Aposentadoria por Invalidez;
  • LOAS – Benefício Assistencial (BPC);
  • Isenção de Imposto de Renda;
  • Andamento jurídico prioritário;
  • Saque do FGTS e PIS/PASEP;
  • Lei de Cotas
  • Inscrever-se em Concurso Público como Pessoa com Deficiência ou PNE.
  • Vagas nas universidades pela lei de cotas destinada a Pessoa com Deficiência ou PNE.
  • Isenção Tarifária para transporte público municipal e intermunicipalCompreende a isenção de pagamento das tarifas de transporte público, cada estado e município brasileiro, tem a sua regulamentação sobre a isenção tarifária, em São Paulo, a isenção tarifária acontece através do Bilhete Único (SPTRANS) e Bilhete BOM Especial (EMTU). Existe uma portaria que regulamenta esse direito, estabelecendo quem tem direito ou não a gratuidade.
    Cada munícipio tem suas empresas de ônibus, por isso, a concessão deste direito pode diferenciar de cidade para cidade, dentro de um mesmo Estado, por isso, é importante, consultar sempre a orientação junto ao Serviço Social da sua cidade.
    O acesso a gratuidade acontece quase sempre através do Serviço Social de cada cidade, geralmente nas UBS “Unidades Básicas de Saúde”, AMA, AMEs e Centros de Saúde. Informe-se na sua cidade sobre onde serviço social atua.

    Para solicitar a isenção tarifária é necessário apresentar Laudo Médico, de preferência de um médico do SUS “Sistema Único de Saúde”, contendo as informações que identificam o paciente, a descrição do estado clínico e o CID-10 (código internacional da doença).
    Como laudo médico em mãos, compareça ao local de atendimento do Serviço Social (UBS, AMA), será solicitado uma relação de documentos e agendado uma avaliação com a Assistente Social, após é agendado uma perícia com o médico perito da isenção tarifária, onde “se aprovado” será fornecido um laudo oficial, com o símbolo internacional da PcD (cadeira de rodas), após a emissão deste laudo, basta comparecer nas unidades de emissão da carteirinha da gratuidade, em SP na SPTRANS e EMTU.

    Passe Livre (para viagens interestaduais)
    O passe livre é um benefício social do Ministério do Transporte que permite a gratuidade no transporte público interestadual (exemplo de MG para RJ), porém por ser um benefício social, não basta ter a doença, tem que ser carente, o Ministério do Transporte realiza uma avaliação social para fornecer o Passe Livre Interestadual.
    Quem recebe auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez pode ir ao INSS e solicitar uma declaração para transporte gratuito, apresentando essa declaração nos guichês das companhias de ônibus é possível agendar a viagem.

    Importante lembrar que a Gratuidade no Transporte Público é um direito reservado para as pessoas que se encontram afastadas do trabalho.

    Compra de Veículo Zero KM com isenção de Impostos Estaduais e Federais
    Descontos de Impostos
    · IPI
    · ICMS
    · IOF
    · IPVA
    O desconto completo, acontece quando a pessoa é a condutora do veículo, o primeiro passo para quem tem é requerer à “carteira de motorista especial”.
    Para quem não é condutor, o desconto é parcial, devendo ser determinado um condutor responsável pelo paciente.
    A solicitação de desconto, pode ser facilitada pelas montadoras e revendas, geralmente, toda concessionária tem um setor especial para isso, chamado de “mobilidade”, porém a pessoa pode fazer tudo sozinha, primeiro solicitando o desconto na Receita Estadual e posteriormente na Receita Federal.

    Auxílio-Doença ou Licença para Tratamento de Saúde
    O auxílio-doença, é um direito da pessoa que está em dia com as contribuições previdenciárias, que contribui há mais de 12 meses, como contribuinte individual ou empregado de empresa/governo. O auxílio doença paga a média de 91% do salário do empregado que necessita de afastamento do trabalho por doença ou acidente.
    Ter a doença não basta, a doença em si não é determinante para obrigatoriedade do INSS em conceder o auxílio-doença, é necessário à aprovação após a avaliação médica pericial. O atestado do médico assistente sugeri o afastamento do trabalho pela quantidade de dias, ou até mesmo por tempo indeterminado, no entanto, é o médico perito do INSS que tem autonomia para determinar se autoriza o afastamento e quanto tempo orienta ou não este afastamento do trabalho, cabendo ao paciente/segurado, as alternativas de prorrogação, reconsideração e recurso.
    O auxílio-doença, pode ser solicitado a partir do 15º de afastamento do trabalho, sendo os primeiros 15 dias pagos pela empresa e a partir do 16º dia, fica sob a responsabilidade do INSS.

    Aposentadoria por Invalidez
    A aposentadoria por invalidez é um direito do segurado do INSS, que está incapacitado para o trabalho permanentemente, porém, o INSS pode conceder a aposentadoria por invalidez e periodicamente solicitar avaliação pericial para constatar a permanência da invalidez para o trabalho, podendo retornar o segurado para o mercado de trabalho.
    Existe uma lenda que após 2 anos interruptos de auxílio-doença, acontece a aposentadoria por invalidez, porém, nos últimos anos isso tem acontecido cada vez menos.
    Quem decide pela aposentadoria por invalidez é o médico perito do INSS, após o período de tentativa de reabilitação profissional, os segurados encaminhados para à reabilitação profissional que não se enquadrarem, podem ser aposentados por invalidez pelo próprio INSS ao fim da tentativa frustrada de reabilitação. Ou ainda, o perito do INSS pode encaminhar o segurado direto para aposentadoria por invalidez, neste caso, acontece quase sempre, após um longo período em auxílio-doença.
    O médico reumatologista pode orientar o afastamento do trabalho por tempo indeterminado, porém é o perito do INSS que avaliará essa decisão. O segurado tem o direito de solicitar a aposentadoria por invalidez através de ação judicial, nos Fóruns Federais Especiais..

    LOAS ou BPC – Benefício de Prestação Continuada
    O LOAS é um benefício assistencial pago a todo brasileiro que não pode trabalhar por consequência de doença ou deficiência, comprovados por avaliação social e exame médico pericial.
    Não é preciso advogado para solicitar o LOAS, basta comparecer a uma unidade do INSS e solicitar o LOAS, será então agendado um horário com a Assistente Social, que irá avaliar o caso e solicitar uma série de documentos, após a entrega dos documentos é agendado uma avaliação médica pericial, que irá avaliar a incapacidade para o trabalho por doença ou deficiência, se concedido, o período de concessão do LOAS é de até 2 anos interruptos, com o valor de um salário mínimo. O LOAS não tem 13º salário e na residência não pode ter outra pessoa recebendo auxílio-doença, pensão por morte ou aposentadoria por invalidez pelo INSS.
    Toda pessoa que nunca contribuiu ao INSS ou descobriu a doença no prazo de carência, pode utilizar o LOAS, no entanto, é necessário passar pela avaliação social, pois para receber o LOAS não basta comprovar a doença, é necessário comprovar a carência social.
    Quando o LOAS é negado, é possível solicita-lo via justiça, através da Justiça Federal Especial.

    Isenção de Imposto de Renda
    Somente tem isenção de pagamento de imposto de renda, a pessoa com doença reumática que estiver recebendo auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez, automaticamente a Declaração Anual do INSS vem como Rendimentos Isentos e Não-Tributáveis.
    Pessoas com doenças reumáticas, artrite reumatoide, espondilite anquilosante, lúpus, ou qualquer outra doença que estejam aposentadas por tempo de serviço/idade, não tem direito a isenção de pagamento de imposto de renda, logo, para terem direito a essa isenção podem solicitar a interpretação da lei a seu favor, através da Justiça Federal Especial, pois somente um Juiz pode conceder ou não este direito, existe vários projetos de lei tramitando no Congresso Nacional, porém, nenhum foi aprovado.

    Maiores informações: Auxílio Doença é Tributável?

    Saque do FGTS e PIS/PASEP
    Pessoas aposentada por invalidez automaticamente já tem o direito de sacar o FGTS e PIS/PASEP.
    Porém, podemos pedir através da Justiça Federal Especial o Saque do FGTS e PIS/PASEP, o juiz tem concedido este direito a pessoa com doença reumática, em 2009 eu saquei meu FGTS com pedido através da Justiça Federal Especial, o juiz concedeu este saque em 30 dias.

    Lei de Cotas
    Pessoas com alguns tipos de doenças reumáticas podem ser considerados pessoas com “deficiências por – mobilidade reduzida”, algumas doenças pela própria característica de acometimento articular e motor, e mais fácil comprovar a deficiência por mobilidade reduzida, a exemplo, temos a Artrite Reumatoide, Artrite Idiopática Juvenil, Espondilite Anquilosante, Osteoartrose (Artrose de quadril e joelhos) e Lúpus Eritematoso Sistêmica, algumas doenças como Fibromialgia a comprovação da mobilidade reduzida fica complicada pela característica da doença, pois, basicamente, não é apenas a doença que confere o direito e sim o estado clínico e comprometimento causado por essa doença

    Para concorrer a uma vaga pela lei de cotas, tanto para emprego ou para estudos é preciso que no ato da inscrição, seja declarado à deficiência, todos os formulários de inscrições constam apenas “Deficiência Física”, então deve-se escolher essa opção e se houver outros, declarar a “Mobilidade Reduzida”, em alguns editais já consta a opção “Pessoa com Mobilidade Reduzida.

    Relatório Médico para concorrer a Vaga pela Lei de Cotas
    O relatório médico deve ser preenchido pelo médico assistente (o seu médico), que deve ser especialista na sua doença de base – o médico reumatologista, este relatório deve conter:
    Doença de base com CID (código internacional da doença) e de preferência a citação do índice de atividade da sua doença e a citação do CIF (Código Internacional da Funcionalidade).
    Descrição do quadro clínico atual, importante constar que a doença está controlada (em remissão), em acompanhamento médico contínuo;
    Descrição de todas as coomorbidades apresentadas após o diagnóstico, de preferência aquelas que justifiquem a “mobilidade reduzida”, como comprometimento de joelhos, quadril, tornozelos, etc.
    Finalização do relatório médico declarando que o paciente está apto para o trabalho readaptado em regime da lei de cotas por conviver com mobilidade reduzida imposta pela doença;
    Essa orientação é baseada na experiência de várias pessoas que conquistaram empregos e vagas de estudos pela lei de cotas, cada médico tem sua forma de fazer o relatório, mas cada item citado é de extrema importância no relatório médico.

    Não desista, ao primeiro não, diga, porque não?
    Nem sempre a conquista de todos esses direitos será fácil, passamos por vários e várias situações, algumas muito chatas, outras vexatórias, mas não desista, pois nós somente nós, pessoas com doenças crônicas sabemos o quanto custa ter uma doença no Brasil, nosso custo de vida se eleva, enquanto nossos rendimentos caí.

    Atualizado em 07 de janeiro de 2016.

 

237 COMENTÁRIOS

  1. Boa tarde! Gostaria de saber como faço para conseguir a isenção na compra de um carro. Eu não tenho carteira de motorista, quem dirige é meu marido.

    • Vanessa nesse caso você deve entrar com pedido de isenção e declarar ter um condutor responsável, você deve procurar a Receita Estadual da Fazenda e posteriormente a Receita Federal, no entanto, sugiro que entre em contato com uma concessionária onde pretende comprar o seu carro, pois a maiorias das montadores fazem este serviço pelo programa de venda de carros especiais. Além de que você vai precisar de um relatório médico descrevendo a sua doença, citando CID e declarando a sua necessidade de isenção tarifária, pois é necessário comprovar que tem a doença que te dá direito a utilizar a isenção de impostos para compra de veículo zero km.
      Boa sorte.

  2. Nasci no Brasil e vivo em Portugal há vinte anos entre na luta contra esta malvada AR , felismente , tenho estado estabilizada , tomo as biológico, tenho um bom acompanhamento médico , penso que aí vocês tem dificuldade em ser assistida por reumatologistas , aqui é tudo mais fácil , ñ tem custos , esta doença é terrível só quem tem é que sabe , eu tenho todo apoio da familia e tento ser feliz ,,,,, bem-haja à todas companheiras !! feliz 20016 .

  3. Tenho fibromialgia e tento conviver com ela, mas é muito difícil. Agora, mudei de cidade e moro num condomínio. No meu bloco são 14 andares e moro no 5º andar, mas a minha vaga é a mais distante (200m) do meu bloco e não é subterrânea. Então, tenho um filho de 3 anos e tem a minha bolsa, mochila e não dou conta. E se ele dorme, a vaga é longe…não sei o quê fazer. Existe possibilidade de solicitar uma vaga próxima ou de PNE para mim?

    • Denise, sugiro que você solicite ao seu médico um relatório médico descrevendo que você tem essa doença que está te causando mobilidade reduzida. Dessa forma, com esse relatório você entra com um pedido de vaga preferencial ao Síndico, geralmente esse tipo de situação é possivel resolver de forma passiva, caso não consiga, busque ajuda da defensoria publica para gerenciar esse conflito.
      Boa Sorte!!

    • Denise, sugiro que você solicite ao seu médico um relatório médico descrevendo que você tem essa doença que está te causando mobilidade reduzida. Dessa forma, com esse relatório você entra com um pedido de vaga preferencial ao Síndico, geralmente esse tipo de situação é possivel resolver de forma passiva, caso não consiga, busque ajuda da defensoria publica para gerenciar esse conflito.
      Boa Sorte!!

    • Regina, para ter direito a vaga preferencial de estacionamento é preciso apresentar um relatório médico descrevendo a doença e citando a dificuldade de locomoção, quem emite o cartão oficial de estacionamneto preferencial é o DETRAN (departamentos de trânsitos), você deve fazer a solicitação e passar por avaliação do departamento de trânsito, somente após a avaliação você consegue saber se será concedido ou não.
      Boa Sorte!

  4. Boa tarde, tenho 32 anos e há uns 8 comecei a conviver com inflamações e dores nas articulações dos pés, tornozelos, joelhos, punhos e cotovelos, mas meus exames sempre foram negativos para os específicos de doenças reumáticas. Passei por vários médicos da minha cidade e região, mas todos diziam que eu tinha tendinites e duas disseram ser Síndrome de Hipermobilidade Articular. Porém as dores e inflamações foram piorando com o passar do tempo e, cansado de tomar anti-inflamatórios sem saber ao certo o motivo, passei por 2 médicos bem conceituados de São Paulo. Olhando fotos, os vários exames e com meus relatos, eles disseram que eu tenho espondilartrite periférica que no meu caso é soronegativa. Desde então venho fazendo tratamento com Sulfassalazina e apesar das dores, hoje suportáveis, as inflamações estão um pouco menos severas. Eu sou servidor público estadual e tenho um cargo administrativo, porém trabalho em um setor que me obriga a carregar peso ( o que foge do descritivo da minha função), passar muito tempo em pé ou agachado, situações que me trazem dor e desconforto, porém fazem parte do trabalho do almoxarifado. Você acredita que com um laudo do médico eu consiga solicitar uma transferência de setor, para um local que me traga menos sofrimento físico e psíquico? Já solicitei a troca de setor anteriormente à administração e tentaram me colocar para trabalhar à noite, o que não seria possível para mim, e pela maneira como tudo aconteceu pareceu uma tentativa de punição por ter pedido para ser transferido.

    • Marcos, você tem direito de solicitar ao DPME “Departamento médico do Estado de São Paulo” a readaptação profissional, para isso o seu médico, deve solicitar através de relatório médico próprio e também oficial, o DPME tem um formulário próprio de readaptação profissional (se informe com a sua diretoria) ou vá pessoalmente ao DPME que fica na Av. Pref. Passos, s/n – Várzea do Carmo, São Paulo – SP, 01517-020
      (11) 3386-5000, neste endereço você pode retirar o formulário de readaptação para o seu médico preencher, com o formulário de readaptação preenchido, você solicita formalmente a redaptação, o seu médico deve colocar neste relatório todas as suas limitações funcionais para o trabalho, como restrição para pegar peso, subir e descer escadas, realizar movimentos repetitivos,movimentos de sobrcarga articular e contra indicação de trabalhar à noite se for o caso. Então, será agendado uma avaliação médica pericial no DPME que irá criar um rol de atividades para o seu departamento de trabalho, e então irá regulamentar sua condição especial para o trabalho.
      Espero que essas informações te ajude.
      Boa sorte. Depois me conta como tudo se resolveu.
      Abraços.
      Priscila Torres

  5. Olá boa noite!

    Em novembro de 2013 fui parar no hospital e o médico disse que eu estava com cervicobraquialgia, passei 10 dias com aquele colar no pescoço além de gesso no braço por conta de muitas dores nas juntas. Logo após os dias imobilizada passei a fisioterapia, que não melhorou muito. Em janeiro de 2014 Procurei então um Neurologista que solicitou ressonância da coluna, EGG e eletroneuromiografia. Com o resultados dos exames ele me encaminhou ao reumatologista com suspeita de fibromialgia. Um pouco descrente com o diagnóstico procurei ortopedista (fiz mais exames, cintilografia óssea), angiologista, e todos me encaminharam ao reumato, e neste momento já estava que não suportava mais de dores, cansaço, insônia, dormência nos membros, sem força nem para escrever. Fui ao reumato e ele disse que eu precisava desacelerar meu ritmo de vida (nesta época eu trabalhava de 8 as 18h e fazia faculdade a noite). Como eu estava em crise, tive que escolher o que eu poderia “abrir mão” naquele momento, então tranquei a faculdade. Comecei a tomar os remedios, entrei na academia, e em 2 meses já estava observando uma melhora no quadro, tanto que ele diminuiu a qtd de um medicamento manipulado. Em novembro de 2014 fiquei desempregada (situação que me encontro até hoje, vivendo de “bicos”, “renda extra”). Porém em fevereiro/março de 2015 liguei na clínica, pois precisava agendar nova consulta e pegar novas receitas, e a minha surpresa é que o médico não fazia mais parte do corpo clínico. A atendente me informou que não tinha vaga e me ligaria assim que aparecesse uma. E assim se passou o 1º semestre deste ano. Tentei outras clínicas, mas só tinha consulta para 3 meses em diante. Neste 1º semestre voltei a faculdade, cursei me arrastando, tive que pedir revisão de faltas e quase “implorar” pro professor pra me aprovar pois eu tinha nota pra isso. Hoje, 02/09/2015, consegui um encaixe na clínica pois não aguentava mais de dor, já estava toda “entrevada”, sinto muito cansaço, insônia, desânimo, enfim. A reumato me forneceu um relatório médico para que eu levasse a faculdade (espero que de alguma forma me ajude, pois está difícil continuar, e não queria ter que trancar mais uma vez). Diante disso, será que existe alguma possibilidade de requerer auxílio-doença e retirar o FGTS retido? Pois pra mim atualmente tem sido muito difícil lidar com o cansaço, desânimo e dores tanto para trabalhar “fixada” e até como freela e conseguir manter uma frequência na faculdade…

    Att,

    • Thaís, é recomendado que vc entre com pedido de auxílio doença antes do mês de novembro (quando completa um ano que vc está desempregada)
      Sobre o saque do Fgts, vc só consegue com autorização do juiz, isso vc pode dar entrada na justiça federal especial.
      é
      É a faculdade, vc pode levar um relatório para o coordenador do seu curso, pois ele pode abonar suas faltas.
      Desejo boa sorte!
      Abraços

      Pri Torres

  6. Bom Dia, fiquei afastada por um período de mais ou menos 150 dias só que meu pedido no inss foi indeferido logo no inicio do meu afastamento , mais o meu médico manteve meu afastamento. por este período alegando que eu estava inapta ao serviço. Agora eu já estou trabalhando novamente. Minha dúvida é a seguinte, eu perdi meu direitos como férias, pis e etc?

    • Mayara
      A empresa não é obrigada a contar Férias e recolher FGTS durante o período de auxílio doença, por isso, o período de afastamento não conta para férias, e se por exemplo, faltava poucos meses para vencer suas férias, começa a contar novamente quando você retornar, e não é contabilizado como dias trabalhados o período de licença. Se as férias estava agendada, a empresa pode também, reagendar essas férias, conforme a sua necessidade de escala.
      Converse com sua unidade de recursos humanos, caso não compreenda ou tenha dúvidas sobre a legalidade da ação de sua empresa é bom consultar um advogado, pois algumas empresas abusam de seus funcionários após retornar do auxílio doença, como uma forma de pressão/preconceito, após retornarem ao trabalho, isso é um fato.
      Boa sorte.

    • Claro que não é justo, Fátima! Mas, você precisa lutar pelos seus direitos e por sua dignidade, no entanto, analise o quanto você precisa disso? será mesmo que não aguenta trabalhar? de jeito nenhum? se você tiver uma condição especial para o trabalho? conseguir se manter afastada do trabalho recebendo do INSS será cada vez mais dificil em nosso país, ainda mais com essa crise, avalie toda a situação, pense direitinho e busque uma condição de retornar ao mercado de trabalho adaptado, o estresse dessa luta pelo INSS é maior do que o esforço para trabalhar, se você conseguir um emprego adaptado, através da lei de cotas, será mais fácil e justo do que viver essa humilhação do INSS, pense com carinho.

  7. Tenho mais ou menos 5 anos contribuido para o inss com carteira registrada,depois parei de trabalhar tem 3 anos, mas tem quase 2 anos que retomei e pago o meu inss por conta,fui diagnosticada osteoporose e fibromialgia não consigo fazer nada, posso pedir a aposentadoria? pois essas doenças são degenerativas,me oriente como posso fazer.Tenho 51 anos.Grato Maria do Carmo.

    • Maria do Carmo
      Pedir a aposentadoria, você pode, o difícil será você conseguir :(
      As doenças reumáticas, não são determinantes para a aposentadoria por invalidez, o que determinar a aposentadoria por invalidez é o estado geral da saúde, a incapacidade para o trabalho, o quanto a sua saúde está comprometidade ao ponto de te incapacitar para a atividade profissional. O seu médico pode te declarar incapaz no laudo médico + somente o perito do INSS pode te declarar incapaz e determinar a aposentadoria por invalidez. Não é possível, entrar com pedido de aposentadoria por invalidez direto no INSS. Primeiro você deve entrar com pedido de auxílio doença, depois de muito tempo recebendo auxílio doença é que você é encaminhada pelos próprios perítos do INSS para a aposentadoria por invalidez, ou então, você pode entrar com pedido de aposentadoria por invalidez, através da justiça federal especial, neste caso, não precisa pagar advogado, você pode ir direto à um Forum Federal Especial.
      Boa Sorte

    • Rozangela, você pode solicitar o auxílio doença, através da justiça federal especial, o acesso a justiça é gratuito e não precisa pagar advogado, você pode consultar o fórum mais próximo da sua residência neste link: http://reumatoguia.com.br/interna.php?cat=61&id=20&menu=61
      Se foi a primeira negativa, você tem direito ao pedido de reconsideração, caso já tenha sido a segunda pericia negada, você tem direito ao pedido de recurso, no entanto, o recurso demora para ser avaliado, por isso, orientamos sempre ao pedido do beneficio na justiça, pois a perícia é realizada de forma mais criteriosa e justa.

      Boa Sorte!!

  8. Eu trabalho nun restaurante japonês limpo muito salmão tudo inteiro , de janeiro pra comecei sentir muitas dores passei no medico fiz exames deu burrice crônica e agora nao consigo nen dormi mais , meu chefe falou que se eu quise posso pedir as conta mas ele não vai me mandar embora sabe não sei o que fazer , estouccom
    Muita dor comando injeção muitos medicação e tenho que trabalha por favor me ajude falando o que posso fazer muito obrigado e bom dia.

    • Bom dia, se for bursite, fisioterapia e medicamentos poderá ajudar muito, como trabalha num restaurante japonês a ingestão de omega 3 presente nos peixes de água fria ajudará muito, mas o seu diagnóstico deve ser confirmado se é bursite, ler ou alguma doença reumática

  9. Olá
    Fui diagnosticada há mais ou menos uns sete anos com AR, desde então faço tratamento com remédios carríssimos como o Remicade, mas meu convenio paga o tramento, meu receio é a qualquer momento o convenio suspender isso (tratamento caro e sem expectativa de cura) caso isso ocorra posso dar continuidade ao tratamento pelo SUS ou melhor dizendo, adquirir a medicação pelo SUS? Tenho todos esses direitos que vc mencionou na matéria? Posso sacar o PIS? Comprar carro zero com isenção de impostos adaptado as minhas necessidades, mesmo no caso de financiamento?

    • Sim poderá continuar o tratamento pelo SUS, seu plano não pode suspender o tratamento, e com relação a isenção de impostos etc, é apenas no caso de você ter perda de funcionalidades, o diagnóstico apenas não é o suficiente

    • O plano não pode suspender o tratamento, porém se for necessário procure o sus, os direitos com relação a isenção de impostos, se faz necessário a perda de funcionalidades o simples diagnóstico não é suficiente

    • O plano de saúde obrigatoriamente arcará com o seu tratamento, porém se caso perda o plano o SUS fornecerá o tratamento, em relação à isenção de impostos o fato de ter um diagnóstico não lhe dá esse direito, só terá esse direito se a doença já houver lhe causado perda de funcionalidades

  10. Oi Priscila, meu nome é Eliana tenho 54 anos, e a 14 anos sofro com dores horríveis, que eram tratadas como fibromialgia, dor crônica … acho que errôneamente, pois é mais fácil atribuir a dor a uma doença que só tem exame clínico. Há quase um ano descobri que tenho artrose grau 3, lombar, uma microfissura coluna, artrose em toda ela ,no quadril e mão direita, tenho exames de raio x e ressonância que comprovam a doença. Continuo em tratamento, mas a dor é intensa demais para que eu consiga ter uma vida longe da normal, e para agravar a situação tenho depressão desde criança, sou hipertensa e tenho um ruido no ouvido que é de enlouquecer.
    Já há mais de 5 anos que não trabalho, tenho empresa aberta, porém sem movimento, também ja faz tempo que não contribuo com o INSS, por falta de condições, mas tenho 20 anos de contribuição pagas.
    Quais os meus direitos perante a lei??? Não sei o que fazer, uma vez que não tenho condições de trabalhar, também não consigo me tratar.
    Muito Obrigada pela atenção.

    • No seu caso pode pagar o inss por 4 meses e já pedir uma perícia para requerer auxílio doença ou aposentadoria, ligue no 135 eles lhe indicará a melhor opção, ou ajuda judicial, há o ministério público, juízado especial federal

  11. Boa Noite
    Fui diagnosticada com “enfisema pulmonar e partes grosseiramente calcificadas” nos pulmões, pois sou asmática. Gostaria de saber se vou ser afastada do trabalho, se tenho direito à aposentadoria (tenho 48 anos e quase 30 de contribuição), mas ainda não fechei o tempo. Meu tratamento, por estar com uma crise aguda, está saindo muito caro e as medicações são durante o dia toda (a maioria, bombinhas). Meu trabalho é estressante, pois sou muito solicitada em várias funções, tanto que quando retorno do trabalho, tenho enxaquecas terríveis, aliás, problema esse que já vem com o trabalho, pois devido a este estresse todo, hoje sou hipertensa, tenho a doença de haschimoto e agora me aparece este problema nos pulmões. Poderia me orientar? Aguardo e agradeço.

  12. OLÁ PRISCILA, ESTOU ME SENTINDO MUITO MAL, TIPO ASSIM HUMILHADA SABE, FIQUEI UM ANO E CINCO MESES AFASTADA DO TRABALHO, ONDE SOU EFETIVADA NA PREFEITURA LOCAL COMO AUX. DE SERV. GERAIS(LIMPEZA) HÁ CINCO ANOS, VOLTEI NO MES DE FEVEREIRO, PQ A MÉDICA FALOU QUE POSSO VOLTAR A TRABALHAR, SEM FAZER ESFORÇOS FÍSICO E NEM PEGAR PESO, E TBM COLOCOU OS CID DAS DOENÇAS QUE SÃO: M05.8, M35.0, M15.0, M75.1 E e M70.6, E COLOCOU TBM ASSIM, AS LESÕES DE PARTES MOLES(BURSITE + TENDINITES) JUNTAMENTE C/ A DOENÇA AUTO-IMUNE ATUALMENTE ATIVA E RECORRENTE (DAS 28= 4,72, CONTRA INDICAM ESFORÇOS FÍSICO, VOLTEI A TRABALHAR MOSTRANDO ESTE LAUDO, O PERITO LOCAL DE ONDE TRABALHO(PQ NÓS NÃO SOMOS MANDADO P/ INSS),QUANDO VOLTEI NA MINHA REUMATO, ELA MANDOU UM LAUDO FALANDO QUE SE NÃO TIVESSE COMO MUDAR MINHA FUNÇÃO SUGERIDO NO LAUDO ANTERIOR QUE ERA P/ O PERITO MANDAR POR ESCRITO, PQ A MEDICA IA MANDAR P/ O INSS, O MESMO OLHOU O LAUDO E ME PERGUNTOU, O QUE TERIA LÁ NO MEU LOCAL DE TRABALHO QUE EU ACHAVA QUE PODERIA FAZER, RESPONDI QUE SE FOSSE PELAS DORES EU FICARIA EM CASA, JÁ QUE O PERITO E O PESSOAL DO RH SEMPRE ALEGAM QUE, SE EU FIZ CONCURSO P/ UMA FUNÇÃO, ELES NÃO TEM COMO ME MUDAR P/ OUTRA, SABE COMO ESTOU, ME SENTINDO CANSADA DE LUTAR, ALÉM DAS DORES AINDA NEH, MUITO CHATEADA, MUITO CHORONA, E AINDA AGORA P/ AJUDAR DOIS TIPO DE GASTRITE E BACTÉRIA NO ESTOMAGO, TOMANDO 4 COMPRIMIDOS PELA MANHÃ E MAIS 4 A NOITE, QUANDO FIZ A ENDOSCOPIA, O GASTRO FALOU P/ MINHA ACOMPANHANTE QUE O FLUOXETINA ESTA ACABANDO C/ MEU ESTOMAGO, E TBM ME PREPARANDO P/ CIRURGIA DE VESÍCULA, O QUE ME ENTRISTECE E ME FAZ SENTIR HUMILHADA PRISCILA É QUE PASSO ESSAS COISAS P/ ELES, ELES ME DÃO ESTAS RESPOSTAS CITADAS ACIMA, DAI A POUCO VEJO EMBAIXO DO MEU NARIZ ELES MUDANDO FUNÇÃO DE PESSOAS CHEIAS DE SAÚDE, PQ SÃO COMISSIONADAS OU CONTRATADAS, E EU CHEIA DE DOR, TENDO QUE FAZER TD TIPO DE TRABALHO COMO AUXILIAR, E ELES CONHECEM MEU TRABALHO DE ANTES, ELES SABEM QUE SOU PROFISSIONAL NO QUE FAÇO, MAS ACHO QUE FALTOU RECONHECIMENTO NEH,TEMOS DIREITO A 3 FALTAS ATESTADAS, SE FALTARMOS UM DIA A MAIS PERDEMOS O TICKET ALIMENTAÇÃO, FIQUEI 15 DIAS DE ATESTADO, AI PERDI O TICKET, ESTOU PERDENDO CONSULTAS POR CAUSA DESTAS LEIS QUE FAZEM NO NOSSO MUNICÍPIO,POR FAVOR PRISCILA, QUERO SABER DE VC, QUAIS SÃO AS LEIS QUE ME AMPARA C/ AR, POIS TEM UMA PESSOA AQUI QUE QUER LEVAR MEU CASO P/ O MINISTÉRIO PÚBLICO, MAS ANÔNIMO, PESSOA ESSA, QUE É UMA FUNCIONÁRIA DO MESMO CARGO QUE EU, PEÇO ASSIM SE VC PODE ESTAR ME ORIENTANDO NO QUE FOR POSSÍVEL. OBS.: TRABALHO C/ DORES DURANTE O DIA E A NOITE A DOR É PIOR, E TEM NOITES QUE NEM RIVOTRIL AJUDA. A E PEÇO TBM SE É CERTO LEVAR MEU CASO P/ O MINISTÉRIO PÚBLICO COMO A COLEGA QUER FAZER, DESDE JÁ FICO MUITO GRATA, UM GRANDE ABRAÇO.

    • Madalena, você tem direito a reabilitação profissional que é a conversão da sua vaga no cargo público em um cargo, que seja compatível com a sua dificuldade causada pela doença, isso é feito pelo médico do trabalho, com suporte do serviço social e psicologia da medicina do trabalho da prefeitura onde você trabalha. Na impossibilidade de retornar ao trabalhar pela reabilitação, você tem direito a ser mantida em licença para tratamento para saúde, porém, não tem lei que obrigue a empresa a te pagar de licença médica, o ticket, de licença médica perde-se o ticket, infelizmente é assim.
      Converse com sua médica e reveja junto da medicina do trabalho a sua reabilitação profissional, isso não é uma humilhação (não deve ser) e sim um direito que você tem. Lute por ele!!!

  13. Queria agradecer por partilhar dessas informações, pois a 3 meses fui diagnosticado com espondilite anquilosante, e graças a elas consegui fazer o saque do meu fgts em 5 dias úteis. Muito obrigado

  14. Boa noite Priscila,

    Acabei de ser diagnosticada AR, porem tenho sintomas desde criança. Hoje minhas dores alem de constantes são muito fortes e não consigo mais dirigir e não estou mais conseguindo executar minhas atividade plenamente com Engenheira, pois não consigo dirigir e andar grandes distancias, sem contar o fato de eu trabalhar a 80km de distancia de minha residência, bom resumindo, estou pensando e deixar minha profissão devido as dores. Gostaria de saber como eu posso solicitar a documentação necessária ao INSS ou ao órgão competente para eu me enquadrar em portador de necessidade especiais e assim poder concorrer a uma vaga desse tipo. E também gostaria de saber se posso ter direito isenções de taxas na compra de um carro automático, pois hoje não estou mais dirigindo carros manuais devido as dores. Obrigada pela atenção.

  15. Boa meus amigos mim chamo Carlos sou do interior de Pernanbuco ja tenho 10 anos de carteira assinada mais agora as empresa não mim contrata mais tenho 38 anos e estou com ( Ostoporose Ostopenia e doença degenerativa na coluna tenho as ressonancia da cola e tenho a dessetrometia ossea sinto muita caibra  quando estou dormindo nas pernas gostaria de sabe se isto da direito de fica no beneficio gosto muito de trabalha mais infelismento sinto muita dor nas pernas e coluna por favor mim respondam .

  16. boa tarde,
    Por gentileza,
    Eu sofri um acidente de trabalho em 2004, perdi o movimento do pé (E). fiz várias cirurgias e não resolveu, com o tempo gerou artrosse, artrite, atrofia do nervo, sinto muitas dores inchassos no pé e na perna. estou sem trabalhar há dois anos e não saquei meu FGTS porque eu sai por justa causa, recebo auxilio acidente mas não é nem um terço do meu salário.
    Por eu não ter mais movimento no meu pé eu posso sacar meu FGTS. Eu fiquei sabendo que só poderia sacar depois de 3 anos inativo, mas por esse motivo que eu relatei poderia sacá-lo.

    • Adilson, o FGTS pode sim ser sacado após 3 anos da última contribuição, compareça a Caixa Econômica Federal e leve sua carteira de trabalho, eles contam 3 anos à partir da data na carteira de trabalho.
      Abraços.

  17. Oi Priscila, tenho tendinite desde 2000, fui mandado embora da empresa que trabalhava por voltar da licença, fui demitido em Dezembro de 2005 e desde então não consegui mais arrumar emprego, apesar de ser formado na área de Informática (TI) , não consegui mais colocação no mercado de trabalho, gostaria que você me ajudasse no seguinte, tenho direito a tirar a CNH especial ?, Tenho direito a retirar o FGTS ?, pois desde 2005 meu FGTS ficou preso, pois não assinei a rescisão. Você pode responder para mim ?, Obrigado pela ajuda.

    • Marco.
      Você tem ainda tendinite? caso tenha e caso te cause alguma dificuldade, você pode lutar por vaga de emprego pela lei de cotas, dependerá do grau da tendinite e do comprometimento que ela te traz.
      FGTS: após 3 anos sem registro em carteira, pode ser sacado o FGTS, para isso você deve ir na Caixa Econômica Federal levando sua carteira de trabalho, você sacará o FGTS na hora.
      Carteira de Motorista Especial: não sei responder sua pergunta, caso a tendinite te cause dificuldade para dirigir, vc deve buscar esse direito, mas não sei afirmar se tendinite se enquandra na lei de isenção tarifária do detran, é preciso consultar uma auto escola especializada em emitir CNH especial.

      Desejo Boa Sorte, espero ter ajudado!!

  18. oi eu tenho artrite reumatoide ja faz 13 anos ate agora nunca recebi um remedio do sus estou desempregado eu gostaria de saber se eu tenho algum direito de alguma coisa por causa dessa doença e onde conseguir esses beneficios com essa doença que eu tenho obrigado

    • Marco, quais medicamentos você usa?
      Conversa com o seu médico, a artrite reumatoide tem uma ampla lista de medicamentos que são fornecidos pelo SUS, para ter o medicamento fornecido pelo SUS, é preciso que os medicamentos façam parte desta lista.
      Benefícios para quem está desempregado, é o LOAS (um salário minimo, + tem que passar por avaliação social e médica pericial), e também se estiver desempregado a menos de 1 ano, pode solicitar o auxilio doença e para casos especiais vc pode buscar ajuda através a Justiça Federal Especial.

      Boa Sorte!!

  19. Priscila Torres, estou em desvio de função a um ano, por motivo de artrite rematoide, mas sem laudo médico, pois meu municipio não consegue marcar minha consulta com um reumatolista do Sus, e todo tempo sou ameçada de voltar para minha função de auxiliar de serviços gerais, neste caso o que procedimento tomar para que meu direito seja respeitado, apenas com exames confirmando o problema, sou efetiva a 8 anos, e já conseguir terminar o ensino superior( pedagogia).

    • Ana, busque a defensoria pública da sua cidade, pois 1 ano esperando uma consulta no SUS é muito tempo, a sua empresa deve esperar a sua avaliação médica, quanto a empresa, peça para passar com o médico do trabalho e explique a situação, a empresa não tem o direito de te colocar em situação vexatória por uma ineficiência do sistema público de saúde, se a empresa tem pressa do laudo, eles deveriam providenciar então uma consulta com um médico reumatologista para definir a sua situação laboral. Converse com o médico do trabalho, fale também com a assistente social e não deixe de buscar ajuda com a defensoria pública da sua cidade.
      Boa Sorte e não desista dos seus direitos, você pode pedir sim a reabilitação e seu curso superior deve ser levado em consideração.

  20. estou em beneficio por assidente de trabalho(b91) desde junho de 2006 sendo que agora em 2013 fis cirurgia no ombro(cidm751) e fiquei com algumas restrisoes para dirigir gostaria de saber se tenho direito em conprar carro com desconto

    • Olá, Serli.
      Todas as pessoas que têm alguma dificuldade/deformidade ou deficiência causado por doença ou acidentes, tem direito a usar a lei da isenção tarifária, desde que tudo conste em um bom relatório médico justificando as necessidades especiais.
      Boa Sorte!!

  21. Oi quero saber sobre meu exame de CCP Anticorpos que deu 500 o Dr não me esplicou muito bem o q é,mas que eu quero saber se tenho direito de auxilio doença e se acaso eu se afasta posso perde meu emprego sou servidora publica e estou em estagio provatório ainda só que não do conta mais de trabalha pois trabalho na limpeza me de uma resposta obrigada

  22. ola boa noite faz anos k sofri de dores no corpo, procurei um ortopidia, mais nunca me curei, descobri a um mese k minha doença é AR, fiquei sem chão pois naõ tenho como me trat não pago o inss pois não trab por anos devidos essas dores k so agora foi descoberta, gostaria de saber k tenho algum direito de benificio, eu agradeço espero resposta

  23. QUERO SABER
    TENHO HERNIA DE DISCO NA LOMBAR CERVICAL E NO COX ENO PESCOÇO E VENHO TENTANDO UM AUXILI DOENAÇMAS NA CONSIG JA FOI ANTES
    BENEFICIADA COM AUXILIA DOENÇA ESTOU DEDSE 2008 SEM TRABALHO , COMO FAÇO PRA CONSEGUIR O AUXILIO DOENÇA E AGORA ESTOU COM UM CANCER NA TIREOIDE MA SVOU FAZER ACIRURGIIA TENHO ALGUEM DIRETIO MEMSO REMOVENDO TUDO O PROBLEMA EU CREIO QUE FICRAREI BOA

Deixe seu comentário aqui!